O som das roncas de Elvas na Praça do Município

Em dia de aniversário do Diário de Notícias - são 154 anos - os cantadores alentejanos trazem as quadras natalícias ao centro de Lisboa.

É já este sábado, dia 29 de dezembro, às 17:00, que se vão ouvir os cantares alentejanos na Praça do Município. Diz a tradição que no Natal de Elvas os grupos de populares vestiam capotes, pegavam nas roncas e andavam pelas ruas a cantar ao "Menino". A tradição esmoreceu e quase se perdia irremediavelmente, empobrecendo a identidade cultural da terra. Mas está de regresso.

Há dois anos um grupo de cantadores juntou-se na Arkus - Associação Juvenil e retomou as célebres músicas natalícias. Estava lançada a semente para uma espécie de segunda vida das Roncas de Elvas, que por estes dias têm saído à rua acompanhando quadras eternas de um Natal que se orgulha da sua história. A tradição vive!

O que é a ronca?

A ronca é uma vasilha de barro, à qual se ata na boca uma pele de coelho ou de borrego, tendo presa ao centro uma cana muito delgada. É friccionando essa cana com a mão humedecida que se tira da ronca um som cavo, ou ronco arrastado, com o qual se acompanha na quadra de Natal os cantes ao Menino. Este instrumento musical foi muito provavelmente introduzido na Península Ibérica, a partir do séc. VIII, com a chegada de diversas tribos berberes do norte de África, donde será original

Programa de aniversário:
29 de dezembro
15h00 - Entrevista - Miguel Somsen por Maria João Caetano: Balanço do ano de 2018
16h00 - Bombaça - Escola Básica nº 1, Professor Manuel Sérgio, Lisboa
17h00 - Ronca de Elvas (A Ronca é o instrumento musical que acompanha os cantos de Natal em Elvas)
19h00 - Parabéns ao Diário de Notícias
19h05 - Concerto Sara Correia (Fadista)

4 de janeiro

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.