Tiago Brandão Rodrigues em visita, neste ano, a uma escola no Parque das Nações, uma das freguesias da
Premium

jardins de infância

Lisboa vai ter 550 novas vagas públicas para crianças no pré-escolar

Há mais 22 salas em jardins-de-infância públicos na capital, mas o objetivo de o governo garantir o pré-escolar a todas as crianças a partir dos 3 anos deve ficar longe de ser cumprido.

A cidade de Lisboa vai ter mais 550 vagas para o pré-escolar em jardins-de-infância públicos no ano letivo que arranca em setembro. Ao todo, serão mais 22 salas, divididas por vários agrupamentos, incluindo, pelo menos, cinco escolas onde não existia oferta para as crianças que ainda não estavam no primeiro ciclo. Um aumento de lugares que ajuda a contrabalançar o peso que a oferta privada tem na capital, em especial para crianças com 3 e 4 anos, mas que estará longe de chegar para garantir a cobertura universal prometida pelo governo.

A Grande Lisboa é a região do país com mais dificuldades para assegurar a cobertura da oferta do pré-escolar, que o atual governo prometeu tornar universal para os 3 anos até 2019. Por ano, nascem cerca de 30 mil crianças na Área Metropolitana de Lisboa. Em 2017-18, tendo em conta as últimas estatísticas da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, publicadas recentemente, estavam inscritas na zona da capital pouco mais de quatro mil crianças com 3 anos em jardins-de-infância públicos, enquanto os números indicam que, no total e contabilizando todas as ofertas na Grande Lisboa, existiam perto de 20 mil crianças com 3 anos no pré-escolar. Ou seja, a oferta privada continua a ser fundamental para assegurar o primeiro ano de pré-escolar, seja através do particular dependente do Estado (com 7627 crianças com 3 anos inscritas nesse ano letivo) seja do privado puro (7915 inscritos). Na educação pré-escolar, as turmas são constituídas por um número mínimo de 20 e um máximo de 25 crianças.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.