Há quem espere há mais de seis meses por pensão

Ministro promete soluções para breve para reduzir o tempo entre o pedido da reforma e o deferimento.

António Soares, de 66 anos, fez o pedido de reforma em fevereiro, dois meses antes de terminar o subsídio de desemprego. "Agora não estou a receber nada. Estive três anos a receber o fundo de desemprego. Em abril acabou e ainda me cortaram cem euros por ser o último mês. A partir daí não recebi mais nada. Já passou maio, abril, junho, julho e vamos para agosto. É meio complicado porque só tenho o fundo de desemprego da minha mulher", refere.

Este reformado da zona de Paredes, no Porto, é um dos muitos casos que ainda esperam pela atribuição da pensão. Garante que já foi a três balcões da Segurança Social e a única resposta que recebeu foi a de que "isto está muito atrasado, pode ir até meio ano ou mais". António Soares acrescenta que conhece outras pessoas que estão na mesma situação. "Conheço um amigo que andou comigo na tropa e está há oito meses à espera da reforma e não está a receber nada."

Ministro promete solução para breve

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, prometeu ontem que está para breve "um conjunto de medidas" para corrigir os atrasos na atribuição das pensões.

No início de abril, Vieira da Silva já tinha reconhecido tempo "excessivo", atribuindo o aumento do tempo médio de espera à "redução forte" dos quadros de pessoal do Centro Nacional de Pensões (CNP) que, segundo o Ministério do Trabalho, sofreu um corte de 24% entre 2011 e 2015.

Em maio, o ministro anunciou a contratação de 200 trabalhadores, mas o processo ainda está a decorrer. Um reforço de quadros feito através de concursos internos e externos, a que se soma o processo de integração dos precários, através do programa de regularização extraordinária dos vínculos precários na administração pública (PREVPAP).

Ontem, questionado pela agência Lusa, o governante disse "não ter conhecimento que a situação se tenha agravado", reiterando que a sua causa se prende com a "forte degradação do número de trabalhadores na área das pensões e no maior número de pensões" a atribuir. Para corrigir esta situação, será anunciado "um conjunto de medidas", disse Vieira da Silva.

O governante admitiu que entre o período de requerimento da pensão e a atribuição vão "alguns meses", mas depende da complexidade das situações. "É um trabalho duro e que é feito com poucos trabalhadores.

Durante uma audição parlamentar, a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, referiu que o CNP teve um corte de 24% do quadro de pessoal entre 2011 e 2015, que existem 11 procedimentos concursais em todo o país e que vão abrir mais 18 numa tentativa de "melhorar os tempos de decisão" relativos à atribuição das pensões.

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI) tem alertado para a necessidade de serem "tomadas medidas com urgência" para garantir que os cidadãos recebem as prestações da Segurança Social a que têm direito "com celeridade".

A organização que representa milhares de reformados diz que "tem recebido inúmeras reclamações de requerentes de prestações da Segurança Social sobre atrasos significativos, nomeadamente, pensões de velhice, sobrevivência, reembolso de despesas de funeral", entre outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.