"Quase como ter um filho." As concertinas que foram inspirar-se no Brasil

Danças Ocultas é um quarteto de concertinas que apresenta em quatro datas o seu novo trabalho, Dentro Desse Mar, produzido por Jaques Morelenbaum. Conversa de como se fizeram estas músicas com um oceano pelo meio.

Em dezembro de 2017, quatro rapazes de Águeda, já não tão rapazes quanto isso, instalaram-se no Rio de Janeiro para gravar com um dos nomes maiores da música brasileira, o produtor e violoncelista Jaques Morelenbaum, o seu novo disco, Dentro Desse Mar.

Se a face brilhante do Brasil falasse mais alto, este diálogo de concertinas com sons brasileiros e algumas pitadas de ritmos de África abafava hoje uma estridência de ódio que chega do outro lado deste mar.

Dentro Desse Mar chega agora ao palco em quatro datas de apresentação: na quarta-feira, dia 31, em Coimbra, no Convento de São Francisco; depois em Lisboa, no Teatro Tivoli BBVA (3 de novembro); Aveiro, no Teatro Aveirense (dia 4); e, por fim, no Porto, dia 21, na Casa da Música, sempre com três convidados especiais: Jaques Morelenbaum, a filha Dora, que canta no disco, e Carminho.

Artur Fernandes e Filipe Cal anteciparam ao DN, numa entrevista em que muitas vezes os dois se completavam, como se fizeram estas músicas com um oceano pelo meio, depois de uma gestação longa de oito, nove anos, desde o último trabalho de originais. O Brasil foi a inspiração.

Como é que uns rapazes de Águeda acabam no Rio de Janeiro a gravar um disco com Jaques Morelenbaum?

Artur Fernandes (A.F.) - Precisamos de voltar um pouco atrás. O nosso último álbum de originais era de 2009, entretanto editámos três trabalhos mas que não são originais - uma coletânea, um disco ao vivo com a Orquestra Filarmonia das Beiras e um EP com a Dom La Nena. Isto para dizer o quê? Que a maior parte do repertório deste disco tem muitos anos, algumas músicas têm oito, nove anos. Fomos tentando fazer os arranjos para estas músicas e estávamos a chegar às mesmas soluções de sempre, a mesma tipologia de arranjo. Acabámos por não avançar, não fechar, porque as soluções eram as mesmas e andávamos à procura do que queríamos fazer, experimentar coisas, por ali e por acolá, e com o tempo fomo-nos convencendo de que precisávamos de uma intervenção artística exterior, alguém que não nos conhecesse pessoalmente, que não conhecesse o nosso instrumento.

Eles, que tocam pelo mundo inteiro, que já fizeram concertos na China, no Canadá, na Alemanha, que andaram por África, decidiram pensar em alguém de "crédito mundial".

A.F. - O primeiro nome que nos surgiu foi precisamente o do Jaques Morelenbaum, também por alguma relação que ele tem tido mais recentemente com a música portuguesa. Ao longo do ano de 2017 fomos comunicando. Hoje é muito fácil fazer este tipo de comunicações à distância: o envio de partituras, de maquetes. E fomos falando com ele de quais eram as nossas angústias, "nesta música precisamos de que o Jaques resolva aqui a questão do arranjo, nesta música não fazemos ideia de que instrumentos havemos de incluir ou não". Ele foi pensando e apresentando soluções. Isto demorou um ano. Achámos que, já que tínhamos este nome tão importante e interessante, o ideal era mesmo irmos ter com ele.

Filipe Cal (F.C.) - E por causa dos inputs: cá, íamos recorrer aos mesmos músicos, aos mesmos recursos artísticos que já mais ou menos conhecemos, e nesta altura era interessante abrir. A quantidade de músicos e de conhecimentos que o Jaques tem, a qualidade que têm. Ele pegava no telefone e, com muita facilidade, reunia músicos fantásticos. Era uma mais-valia para o disco.

Porque era importante ter alguém que não conhecesse tão bem o instrumento?

A.F. - Um piano ou um violino são instrumentos estandardizados e que têm uma gama de recursos impressionante. O nosso instrumento é mais particular, tem uma organização específica e algumas limitações e, por outro lado, algumas potencialidades. As potencialidades nós fomos trabalhando e desenvolvendo - e fomos ignorando as dificuldades...

F.C. - ... contornando as dificuldades.

A.F. - ... fomos contornando. Este processo de "eu escrevo uma melodia mas isto não dá para tocar numa concertina, vamos optar por mudar esta nota para acolá", isso nós fazemos com toda a naturalidade. Agora precisávamos de alguém que não ficasse condicionado pelas características do instrumento, para decidir se havíamos de tocar aquele acorde ou aquela nota ou aquele ritmo.

Em Búzios, há muito Brasil ali. Até que ponto deixaram entrar o Brasil, ou foi o contributo de Jaques que foi colocando esses sons?

F.C. - Essa música foi composta pelo Artur já muito nesse espírito. E, mesmo sem aquela riqueza toda tímbrica [da versão final], ela própria puxa muito pelo ambiente.

A.F. - Tem um ritmo particular, de sete tempos...

F.C. - E a própria harmonia. O ponto de partida da música já está nos Açores [risos] e, depois, quando se põem músicos brasileiros a tocar em cima daquilo, a percussão, as cordas, para eles é peixe na água.

Quando se ouve Azáfama, a primeira música do álbum, parece que estamos perante uma síntese de um percurso, recuperando um som primitivo, ingénuo e orgânico dos primeiros discos. A concertina, o sopro, a respiração do instrumento... Azáfama vai cosendo as pontas que apresentam no resto do álbum.

A.F. - Sentimos que com este disco não deixamos de ser Danças Ocultas, incrementamos a faceta artística que tem que ver com a nossa estética. Há uma roupagem nova, nomeadamente nas cordas e na percussão, muito ligada à MPB (música popular brasileira) e também a África, nomeadamente em Soldado. Uma das demandas que apresentámos ao Jaques era a de pretendermos um som mais global, menos específico, menos rotulado, que qualquer pessoa possa ouvir e consumir. Esse resultado final, que tem a essência da estética Danças Ocultas e também a corzinha brasileira, e a fusão resulta num novo som que permite a quem ouve este Danças Ocultas novo ter curiosidade para ouvir a nossa discografia anterior.

Parece haver um trabalho coletivo, quase de artesãos, de uma oficina de artesãos, que vão compondo as peças em conjunto. Foi assim?

A.F. - Grande parte das músicas, dois anos antes, um ano antes, já estavam muito em bruto, algumas coisas em células. Houve duas em concreto que foram feitas já depois do contacto com o Jaques, nomeadamente a música que a Carminho canta, O Teu Olhar, e Búzios. Outras como As Viajantes, Caixinha de Música, São João, são músicas já muito antigas e que tinham as melodias e pouco mais.

F.C. - Porque estávamos sempre a chegar aos mesmos resultados...

A.F. - Estávamos fartos!

F.C. - Não adiantava ir por aí...

A.F. - Nessas músicas mais em esboço, falámos disso com o Jaques, de que precisávamos de uma intervenção dele nos arranjos, na sequência das partes da música.

Ao trabalho do produtor, juntou-se o de músicos que Jaques chamava.

A.F. - O Jaques dá espaço ao músico, para que ele próprio com o seu trajeto possa emprestar algo de novo à criação...

F.C. - Ele dá muita liberdade.

A.F. - Quase tudo foi gravado ao primeiro take, bandolins, guitarras, percussões...

F.C. - Ele mandava a música para os músicos, "o que é que pensaste?", e eles chegavam com as suas ideias e tocavam, enquanto o Jaques se sentava com aquele ar bonacheirão. Aquilo tinha uma liberdade muito grande na interpretação, são músicos que ele conhece muito bem.

Mas a concertina continua a ser a protagonista.

A.F. - Por mais participações ou inputs que possa haver de outros timbres, a narrativa deve ser conduzida pelos nossos instrumentos.

F.C. - Isto é um quarteto de concertinas.

Todo o nosso repertório é feito para música instrumental. O Teu Olhar foi de propósito escrita para ser uma canção e para ser cantada pela Carminho.

Como é que o uso de palavras foi moldando o vosso som?

F.C. - Respondo da maneira menos óbvia. Nas músicas em que isso se sente mais são músicas que não são cantadas: em Soldado e Oníris. A partir de um disco com poemas ditos por Cesariny, o desafio foi musicarmos alguns deles e [compusemos uma] música que achámos adequada para um poema que retrata a guerra colonial. Nesse tema, a música moldou-se muito às palavras: aqueles ritmos africanos, aquele som. Faz sentido ter ali uma percussão, uma coisa africana... O Oníris também encaixámos num poema magnífico...

A.F. - A Arte de Bailar em Silêncio.

F.C. - Aquela densidade toda, aquela melancolia toda, é por influência do próprio poema.

A.F. - Pela primeira vez, temos uma música, O Teu Olhar, que foi feita a pensar para ser uma canção. Todo o nosso repertório é feito para música instrumental. Dessa Ilha e As Viajantes eram músicas instrumentais às quais foi acrescentada uma letra e adaptada a voz. OTeu Olhar foi escrita de propósito para ser uma canção e para ser cantada pela Carminho. Ainda assim, há ali alguns resquícios do lado instrumental, foi uma coisa que durante algum tempo andou a incomodar-nos sobre como resolver e que depois só uma artista genial como a Carminho é que resolveu essas questões de uma forma muito elegante. Tem que ver com um determinado tipo de recurso de passagens musicais que é o uso de arpejos, de sequências, se falar em números, 1-3-2-4-3-5, isto em música instrumental faz muito sentido, mas a cantar perde-se...

F.C. - A Carminho disse-me: "Isto foi mesmo escrito por um músico." [risos]

A.F. - Para confessar a nossa ingenuidade perante a escrita de canções...

F.C. - A nossa inexperiência...

A.F. - Há questões que passam despercebidas à maior parte das pessoas, mas há contornos melódicos que são mais para instrumentos e outros mais para vozes. [Felizmente, tivemos] a genialidade da Carminho na interpretação ao resolver essas pequenas nuances, que ela brilhantemente adequa a uma narrativa de voz.

O diálogo com os outros instrumentos é mais fácil?

A.F. - É. Apesar de, no caso das cordas, a morfologia, digamos assim, ser completamente diferente, a linguagem instrumental é muito universal. A gestão das tensões e das distensões, que fazem o discurso musical, obviamente que são muito mais naturais entre instrumentos do que entre instrumentos e voz. Aqui, a voz passa para um primeiro plano e o instrumento passa a fazer o comentário.

Já trabalharam com uma orquestra, tocaram com os Dead Combo, Rodrigo Leão, Dom La Nena, repetem a Carminho. Até que ponto estes diálogos ajudam a ir formando também a vossa música?

F.C. - Ajuda sempre. Estes artistas têm todos algo em comum connosco. O Rodrigo desde sempre, até andou com o Artur na tropa [risos]; com os Dead Combo há ali um lado mais noturno, que também temos; a Carminho dentro do fado é quem vai buscar ali um aspeto mais grave e tem uma plasticidade muito grande. Dentro das fadistas, do meu ponto de vista, é daquelas que se conseguem moldar melhor a diferentes tipos de música... A Orquestra Filarmonia das Beiras, por outra via: nós basicamente somos um ensemble, um quarteto de cordas que está ali, tens o violoncelo que é o baixo [Filipe Ricardo], eu a fazer a viola que é a harmonia, e os dois violinos a fazerem as melodias, que é o Artur e o Chico [Francisco Miguel]. O que fizemos com a orquestra foi basicamente amplificar os nossos instrumentos para orquestra. A Dom La Nena tem também uma linguagem bastante próxima. Fomos trabalhando com artistas com quem temos muitos pontos de contacto

A.F. - E de relação pessoal.

F.C. - Sim, isso é muito importante para a nossa construção, a maneira como as pessoas se relacionam e se moldam umas às outras, isso faz que a coisa consiga evoluir.

A.F. - Todas estas participações fazem que chamemos a atenção para determinados aspetos que o próprio repertório tem. Mais uma vez, com este disco que trazemos do Brasil, há uma quantidade infinita de pequenas ideias que poderão despertar-nos para outros trabalhos.

"Foi um instrumento que mexeu connosco, que nos fez vibrar com a música e acima de tudo este instrumento é feito para fazer a dança"

Volto ao início: para vocês, que importância teve a aprendizagem de um instrumento como a concertina?

A.F. - [pausa longa] É quase como ter um filho. Fazemos um filho e temo-lo! E depois temos de o educar e ele educa-nos a nós também.

F.C. - E gostamos dele!

A.F. - Sem pôr em causa esse processo, é isso que se passa com este instrumento. Todos nós, por influência do meio, do folclore local, somos levados a tocar este instrumento... Foi um instrumento que mexeu connosco, que nos fez vibrar com a música e, acima de tudo (e que é muito pertinente neste caso), este instrumento é feito para fazer a dança, e nós no início fazíamos as pessoas dançar ao som do nosso instrumento, que é uma magia incrível. É um instrumento que nos fez ter um olhar maravilhado perante a música. São coisas que não voltam atrás, não dá para mudar de instrumento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)