Premium Professores exigem números claros a Mário Centeno

Sindicatos e independentes temem que o ministro se limite a repetir os 600 milhões anuais que o governo tem referido sobre o custo da recuperação do tempo de serviço, quando as contas dos professores apontam para metade desse valor ou menos.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, estará nesta tarde na Comissão de Educação e Ciência, numa audiência urgente, agendada pelo PS, com o objetivo de divulgar "o impacto orçamental do descongelamento das carreiras e dos modelos de recuperação do tempo de serviço", tendo em conta os nove anos, quatro meses e dois dias que os partidos à direita e à esquerda do PS reconheceram no dia 16 de abril. E conhecer essas contas é precisamente o que dizem esperar os professores e seus representantes, para os quais os 635 milhões de euros de impacto anual que o governo tem vindo a repetir não passam de um número "fetiche" sem sustentabilidade. E que, sobretudo, continua por explicar.

"Nenhuma conta que nós fizemos bate certo com aquilo, sendo certo que não temos os valores todos porque nunca nos cederam", diz ao DN Mário Nogueira, da Federação Nacional dos Professores (Fenprof). O que o ministro Mário Centeno pode ir dizer ao Parlamento é o que lhe interessa dizer", avisa, considerando que até agora o governo se agarrou "a um número grande, para impressionar, mas que continua sem esclarecer como lá chegou".

Ler mais

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.