Premium Filipa Roseta: "Confiavam o futuro dos vossos filhos a Rio ou a Costa?"

O DN entrevistou as cinco caras que renovam a campanha. A primeira desta série de entrevistas é Filipa Roseta. Aos 46 anos, a arquiteta e vereadora da câmara de Cascais lidera a lista do PSD ao maior circulo eleitoral. É a grande aposta de Rui Rio. Diz que está neste combate porque são os mesmos que estão no governo que levaram o país a uma das piores crises de sempre.

É uma responsabilidade muito grande suceder a Pedro Passos Coelho na liderança da lista em Lisboa?
Eu tenho o peso da responsabilidade e tenho muito respeito por Pedro Passos Coelho, mas objetivamente quem lhe está a suceder é Rui Rio.

É vereadora da Câmara de Cascais, com realidades diferentes de Lisboa. Com que dificuldades se tem defrontado na campanha?
O que me preocupa são os problemas das pessoas, e aqui no distrito a questão que se põe é ser desenhado como um todo, deste grande território dos 16 concelhos, que estão aqui entalados entre o Atlântico, o Tejo e as duas serras. As políticas são muito centradas em zonas e muito pouco distribuídas por todo o território. Tenho essa perspetiva territorial, como arquiteta e urbanista, e tenho a certeza absoluta de que esta região tem necessariamente de começar a ser pensada como um todo, que não é. Nomeadamente ao nível dos transportes, no caso da ferrovia, há estratégias muito localizadas que nunca têm em conta toda a rede, o que numa área metropolitana, com movimentos pendulares, que vão até aos concelhos mais a norte, não tem sentido. Aqui o grande desafio é continuar a pensar o território a uma escala maior e a tentar identificar as grandes fragilidades. O caso dos transportes é uma grande fragilidade, mas também a habitação.

Ler mais

Exclusivos