Governo estuda subida de salários. Quem recebe menos pode sair a ganhar

Negociações estão longe de fechadas, mas se avançar a solução de apenas atualizar os salários mais baixos, cerca de cem mil funcionários poderão ser aumentados.

Carlos César, líder parlamentar do PS, abriu a porta a aumentos salariais na função pública, ao admitir que esta possibilidade está a ser estudada no âmbito da preparação do Orçamento do Estado. Em avaliação está uma subida dos salários base de valor mais baixo, mas, ao que o DN/Dinheiro Vivo apurou, a questão está longe de estar fechada e não está afastado um cenário de aumento para todos os trabalhadores. Se vencer a tese dos rendimentos mais baixos, entre 80 e 100 mil funcionários poderão ver as remunerações atualizadas.

"Pensamos que é possível trabalhar - e estamos a trabalhar - para ver se há também um aumento da remuneração base, pelo menos até a um determinado nível salarial." A frase é de Carlos César e veio reforçar um cenário de que 2019 poderá marcar o fim de uma década de congelamento de salários na função pública - o último aumento, de 2,9%, foi em 2009.

Apesar da abertura, esta solução de canalizar a folga orçamental apenas para uma parte dos funcionários públicos está longe de agradar aos sindicatos - com quem, por lei, esta matéria tem de ser negociada, mas aos quais não foi ainda entregue nenhuma proposta. "Isso não faz qualquer sentido e é uma medida extremamente perigosa", referiu ao DN/Dinheiro Vivo Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum, que tem já uma greve agendada para 26 de outubro. "Não sabemos o que entendem por rendimentos mais baixos, porque salários baixos há em todas as carreiras da função pública", refere, acrescentando que a medida é inaceitável uma vez que "todos os trabalhadores têm direito a ser aumentados".

José Abraão, secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), valoriza a abertura do governo, mas também rejeita um cenário de aumentos apenas para alguns. "Os salários estão congelados há uma década e o governo tem de dar um sinal de travagem nesta degradação das remunerações. Qualquer aumento que não dê esse sinal a todos os trabalhadores fará que um dia de greve seja pouco", precisou ao DN/Dinheiro Vivo.

Manifestando disponibilidade para negociar aumentos - que podem ser em percentagem ou em valor -, o secretário-geral da Fesap chama a atenção para o facto de não fazer sentido que pensões de 680 euros tenham aumentos de dez euros e que salários da mesma ordem de grandeza não sejam atualizados.

Ao que o DN/Dinheiro Vivo apurou junto de fonte ligada ao processo, a questão dos aumentos salariais está longe de estar fechada, permanecendo a vontade de "reunir condições para que se possam vir a verificar aumentos", usando alguma margem orçamental que o bom andamento das contas públicas tem criado.

O DN/Dinheiro Vivo questionou o Ministério das Finanças sobre as negociações em torno dos aumentos salariais, mas fonte oficial referiu não fazer comentários sobre matérias relacionadas com a preparação do Orçamento do Estado para 2019.

Num cenário de aumentos apenas para rendimentos mais baixos, há carreiras da função pública que terão de ser visadas. É o caso da dos assistentes operacionais, que abrange atualmente 152 272 pessoas, estimando-se que cerca de um terço se encontre nas primeiras posições da TRU, ou seja, a receber entre o salário mínimo e os 683 euros de salário base.

Também cerca de um terço dos 84 600 assistentes técnicos se encontram atualmente na base da tabela remuneratória que começa nos 683 euros e avança de seguida para os 789,54 euros. Mas no campeonato de salários base relativamente baixos podem também incluir-se os técnicos superiores, já que quem ingressa nesta carreira (que exige no mínimo que a pessoa seja licenciada) começa a ganhar 995,51 euros.

Os sindicatos da função pública têm reuniões marcadas para o Ministério das Finanças para o dia 3 de outubro, mas a agenda não contempla matérias relacionadas com o Orçamento do Estado.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.