Após "caso Goebbels" e delírios de Regina, Bolsonaro entrega cultura a ex-galã de Malhação

Segundo observadores ouvidos pelo DN, a política de um governo que já vai em cinco secretários, sob a alçada de dois ministérios diferentes, em apenas 18 meses é marcada por "censura", "ódio aos artistas", "teorias da conspiração" e "ânsia de destruição"

Não fosse pela divulgação de uma nota cinzenta à imprensa e por um registo burocrático no Diário Oficial da União, ninguém ficaria a saber que Mário Frias, um ator de 48 anos, se havia tornado no último dia 19 o quinto secretário especial da cultura em 18 meses de governo Jair Bolsonaro. Não houve anúncio, nem jornalistas, nem convidados, nem discursos, nem cerimonial de posse, ao contrário do que sucedera, cerca de três meses antes, na chegada, com pompa, da sua antecessora e colega de profissão Regina Duarte.

Frias, conhecido do público por ter sido galã da sexta temporada da novela teen Malhação, apresentava um game show com estudantes no Rede TV, o quinto canal aberto mais visto no Brasil, antes de ingressar no governo. Ele disponibilizara-se em entrevista no final de maio, quando já parecia iminente a queda de Regina Duarte, para o cargo.

A atuação da intérprete da Viúva Porcina, que durou na secretaria de março a junho, foi reprovada por toda a gente. Pelo presidente Jair Bolsonaro, que não gostou que ela, com 72 anos, cumprisse quarentena em São Paulo em vez de estar a trabalhar em Brasília, e, sobretudo, pela classe artística por não comentar a morte de ícones da cultura ou pela ausência de uma medida concreta em defesa do setor.

Confrontada com críticas em direto da colega Maitê Proença numa entrevista à CNN Brasil, Regina indignou-se e ameaçou abandonar o estúdio. Na mesma entrevista, relativizou ainda as mortes provocadas pela ditadura militar brasileira [1964-1985] e, na sequência, acabou processada por familiares de vítimas.

Antes, o cargo esteve nas mãos de Roberto Alvim, que caiu após imitar o ministro nazi Joseph Goebbels em vídeo oficial. O secretário brasileiro disse que "a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. (...) Ou então não será nada", enquanto o ministro alemão afirmara, nos anos 30 do século passado, que "a arte alemã da próxima década será heroica (...) ou então não será nada". Como música de fundo para a sua intervenção, Alvim escolheu ópera de Richard Wagner, o compositor preferido de Hitler e do regime nazi.

Enquanto chamava a atenção da comunidade artística por chamar a celebrada atriz Fernanda Montenegro de "sórdida" e "mentirosa", Alvim foi ainda notícia pelas nomeações que fez.

Para a Fundação Palmares, que cuida do património cultural afro-brasileiro, indicou Sergio Camargo, para quem "a escravidão foi benéfica para os descendentes". Segundo ele, "Marielle Franco jamais será heroína legítima dos negros brasileiros, exceto para os que estão nas biqueiras [local de venda de drogas] e nos presídios" e "[o músico] Martinho da Vila é um vagabundo que deveria ser mandado para o Congo".

Rafael Silva, novo titular da Biblioteca Nacional, culpou Caetano Veloso e outros músicos contemporâneos, como Gabriel O Pensador ou a banda Legião Urbana, pelo analfabetismo do Brasil.

Já o indicado para a presidência da Funarte, organismo de incentivo às artes, acredita que"o rock leva ao aborto e ao satanismo". Para o maestro Dante Mantovani, "os Beatles implantaram o comunismo", enquanto "agentes soviéticos infiltrados na CIA distribuíram LSD em Woodstock para destruir a célula familiar" e "a UNESCO propaga a pedofilia".

Alvim nomeou ainda um colunista social e pastor evangélico, uma reverenda, uma escritora de novelas da TV Record, propriedade do bispo Edir Macedo, entre outros.

"É inegável a falta de importância da cultura no governo Bolsonaro. E o pior é que as poucas ações no setor são sempre de caráter nocivo: na Ancine [agência reguladora do cinema], na Fundação Palmares, na Cinemateca, em tudo se segue a intenção de desmobilizar, desmontar, destruir", lamenta ao DN o escritor e jornalista Thales de Menezes.

Apenas tapar buraco

Para Ricardo Rodrigues, produtor e agentes musical de nomes como a cantora Liniker, entre outros, "a gestão Bolsonaro começou por transformar o ministério em secretaria, depois trocou o ministério que gere o setor e agora já vai em cinco secretários sempre com o intuito de tapar o buraco e só para não acabar de vez com a secretaria".

"Porque, na verdade", prossegue, "não houve uma única ação real executada, uma política estruturante, nada, a preocupação é apenas em manter uma figura televisiva à frente, alguém ligado aos grandes conglomerados de televisão, ao lado comercial".

Frias, entretanto, como Regina e Alvim, está sob a tutela do ministro do turismo, Marcelo Álvaro Antônio, acusado de falsidade ideológica, de apropriação indébita de recurso eleitoral e de associação criminosa num esquema de desvio de dinheiro público em candidaturas femininas fantasma do então partido de Bolsonaro, o PSL.

Antes, respondendo ao ministro da cidadania Osmar Terra, médico que chamou a quarentena no combate ao coronavírus de inútil e previu 2100 mortes no Brasil por causa da doença (já passou os 55 mil), foram secretários da cultura o banqueiro Ricardo Braga, por anónimos dois meses, e Henrique Pires, que saiu por "não pactuar com censura".

Em causa, a suspensão de Bolsonaro de quatro séries sobre diversidade e temas LGBT nas televisões públicas.

Espetáculos teatrais como "Abrazo", da companhia Clowns de Shakespeare, e "Gritos", da Dos à Deux, o primeiro por trazer a história de um governo que proibia cidadãos de falar e o segundo por ser protagonizado por um travesti, também foram cancelados.

Thaís Seganfredo, editora do Observatório da Censura nas Artes, assinalou esse e outros momentos da gestão cultural sob Bolsonaro ao DN.

"Além dos casos de censura, não existe política cultural, na verdade desde a época do Roberto Alvim, que depois se provou ser um fascista, existem uma antipolítica cultural e um discurso de ódio à classe artística, vale lembrar que o Bolsonaro negou a inclusão dos artistas entre as categorias que recebem o auxílio emergencial de 600 reais na pandemia".

"Por sorte", prossegue Seganfredo, "a sociedade civil e os parlamentares se organizaram para eles mesmos construírem uma ação, a priori, emergencial devido ao novo coronavírus, quem de fato está incentivando a cultura no Brasil é o poder legislativo".

Ela lembra que "o pensamento que guia o governo Bolsonaro é de que os comunistas tomaram intelectualmente o país através da cultura e da educação".

Teoria incentivada por Olavo de Carvalho

Essa teoria da conspiração é, sobretudo, incentivada pelo filósofo Olavo de Carvalho, considerado o guru da nova extrema-direita do Brasil, incluindo Bolsonaro, os seus filhos e Alvim, por exemplo.

Segundo Olavo, para dissolver a célula familiar, a esquerda ocupa, como determinada pelo teorizador marxista Antonio Gramsci, os espaços culturais, onde pretende esvaziar de significado as tradições judaico-cristãs e banalizar práticas como a zoofilia, o canibalismo e a pedofilia.

Nessa esteira, o presidente começou o seu governo a questionar o patrocínio das empresas estatais à cultura e a ameaçr a "Lei Rouanet", uma lei de apoio à cultura, cujo teto de incentivos caiu de 60 para um milhão de reais.

Com Mário Frias, que apesar da fria chegada ao governo recebeu elogios públicos do deputado Eduardo Bolsonaro via redes sociais, há esperança de mudanças?

Para Ricardo Rodrigues não. "Com Mário Frias muda muito pouco, é só alguém que vai ocupar o cargo, no máximo servirá para fazer campanha ideológica, para que a cultura se mantenha como ferramenta do eixo ideológico do governo, não tenho esperança".

"A minha esperança é que tudo isto levou a uma grande retomada de associações representativas de setores, que se articulam para construir uma política pública pela mão do povo e não pelo governo, que se mobiliza para reconstruir tudo o que eles quiserem destruir".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG