Premium Não se ama alguém que não ouve a mesma canção

Depois de um grande papel em No Coração da Escuridão, de Paul Schrader, reencontramos Ethan Hawke na pele de um ex-rock star em Juliet, Nua, que chega na quinta-feira às salas portuguesas.

Afinal, a comédia romântica não é um género caído nas ruas da amargura... Eis o primeiro veredicto que apetece lançar depois de ver esta pequena pérola chamada Juliet, Nua, pronta a aquecer-nos o coração como um produto saído dos anos 1990, quando Meg Ryan era a namoradinha da América. Por outras palavras, num tempo em que vai escasseando a fórmula do humor inteligente conciliado com um romantismo suave, o filme de Jesse Peretz faz um brilharete. E, para isso, conta não só com um belo trio de atores como adapta uma boa história do especialista em personagens obcecadas, Nick Hornby - autor conhecido pelo livro Alta Fidelidade, que Stephen Frears levou ao ecrã.

Tudo se passa numa pequena cidade costeira britânica. Por aqui encontramos um professor académico (Chris O'Dowd) que nas horas livres se dedica à análise das músicas de uma desaparecida estrela indie rock da sua juventude, um tal Tucker Crowe (Ethan Hawke). Tem um compartimento da casa todo dedicado a ele, e um blogue para fãs no qual passa o tempo a levantar teorias sobre a sua biografia, através das letras, acreditando que o regresso está para breve. Por sua vez, a namorada (Rose Byrne), que convive há demasiado tempo - e pacificamente - com esta fixação, acaba por explodir no dia em que recebem pelo correio um CD com uma gravação intitulada Juliet, Naked, do dito cujo. Aí ela aproveita a divergência de gostos musicais e deixa um péssimo comentário no blogue do namorado, que desperta a atenção do próprio Tucker Crowe. O que acontece depois é inevitavelmente do domínio da comédia romântica: os dois começam a corresponder-se por correio eletrónico, tal e qual Meg Ryan e Tom Hanks em You've Got Mail.

Mas o filme de Peretz não fica na fase da correspondência virtual durante muito tempo. Há um interesse em quebrar a solidão desta mulher (reforçada pelo facto de ser diretora do museu da terrinha) que justifica a urgência do encontro com Crowe. Na pele do cantor recluso, que agora tem filhos de várias mulheres e vive na garagem de uma delas, Ethan Hawke é a excelência da rock star na crise da meia-idade. Já Rose Byrne confere aquela dose de genuína doçura, perfeitamente equilibrada, que faz o quadro romântico aguentar-se pela subtileza narrativa, sem nunca cair no enjoo amoroso ou nos clichés da comédia.

Na verdade, o que Julia, Nua tem de refrescante é a melancolia que acaba por invadir as personagens, oferecendo situações que nos colocam diante da sua pura e simples humanidade. Veja-se, por exemplo, a discussão que Crowe tem com o professor que o venera, em que o primeiro nega o valor artístico do seu próprio trabalho perante um homem intimamente tocado pela suposta carga profunda das canções. Ou então a cena em que Hawke toca e canta Waterloo Sunset dos The Kinks numa festa do museu de Byrne, como que entregue à candura do momento, numa expressão franca. Nudez, aqui, só se for da alma...

Já fazia falta uma comédia romântica assim, brilhantemente modesta (como o casaquinho de malha da protagonista), sobriamente divertida e irresistivelmente charmosa. Para completar, até traz uma moral engraçada: como diz a balada de Rui Veloso, não se ama alguém que não ouve a mesma canção.

*** (Bom)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".