Premium  Bertolucci, antes e depois da revolução

O cineasta de O Último Tango em Paris e O Último Imperador deixa uma obra imensa, plena de atualidade, marcada pelas clivagens entre gerações e classes sociais.

É bem provável que, um pouco por todo o mundo, a maioria dos espectadores de cinema associe o nome de Bernardo Bertolucci apenas ao seu grande filme "oscarizado", O Último Imperador (1987), retrato amargo e doce da decomposição de uma forma ancestral de poder político. Além do mais, a sua assinatura está no eternamente polémico O Último Tango em Paris (1972), por certo um dos mais belos testemunhos da ressaca das ilusões libertárias da década de 60.

Na verdade, tal visão é profundamente limitada e limitativa. Entenda-se: não são os espectadores que estão em causa, sobretudo nesta Europa que continua a não saber dar aos seus filmes a mesma visibilidade comercial de que desfrutam os produtos americanos (mesmo não esquecendo que é dos EUA que provêm muitos dos títulos mais interessantes da atualidade). Acontece que essa capacidade (ou a falta dela...) de transmitir um legado, seja ele afetivo ou político, social ou simbólico, está no centro da obra de Bertolucci.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.