Premium As estranhas geringonças na hora de votar no Parlamento

No momento de aprovar ou rejeitar as propostas e projetos de lei, a configuração parlamentar dos votos vai muito além da divisão simples entre esquerda e direita. Um exemplo em breve pode ser o vencimento dos juízes. Mas há mais exemplos.

À geringonça que foi garantindo os votos necessários para que o executivo socialista sobrevivesse a uma legislatura que muitos vaticinavam curta, com os votos de PS, BE, PCP e PEV, somam-se todas as semanas outras geringonças de geometria variável, em que, por exemplo, comunistas se juntam a PSD e a CDS para fazer passar ou travar uma proposta.

Em breve, há uma matéria que pode gerar uma solução que pode passar com os votos de PS, CDS e PCP. Trata-se de uma proposta de alteração centrista ao Estatuto dos Magistrados Judiciais, para que o salário dos juízes tenha como teto máximo o do Presidente da República, que foi acolhida pelos socialistas, que tinham proposto eliminar o teto máximo do salário do primeiro-ministro para o vencimento dos juízes. Os comunistas também acompanharão este sentido de voto. Mas falta ainda o trabalho de discussão na especialidade, até a proposta chegar a votos.

Ler mais

Exclusivos