Rio faz levantamento do património do PSD

O líder do PSD quer conhecer o património imobiliário do partido. O levantamento a nível nacional e nas regiões autónomas está a decorrer. Algumas estruturas ficaram inquietas, mas a direção social-democrata garante ao DN que não há intenção de vender imóveis.

Rui Rio está a arrumar as contas e quer saber qual o património do PSD. E mandou fazer um levantamento sobre os imóveis que o partido têm a nível nacional e nas regiões autónomas e onde aloja todas as estruturas, entre as quais 19 distritais e dezenas de concelhias.

As últimas notícias sobre a vontade do líder do PSD de cortar a eito para diminuir o passivo do partido - até com processos a candidatos autárquicos que gastaram mais do que deviam ­- suscitaram apreensão nalgumas estruturas ouvidas pelo DN sobre as intenções da direção ao fazer este levantamento de património.

[O PSD] "Não tem em vista com esta ação qualquer medida de alienação do seu património"

Mas o secretário-geral adjunto social-democrata, Hugo Carneiro, o homem-forte de Rui Rio para as contas do partido, diz ao DN que "o PSD encontra-se a tomar conhecimento do património que tem, o seu estado de conservação, num ato normal de gestão interna". E garante que "não tem em vista com esta ação qualquer medida de alienação do seu património".

Fontes do PSD justificaram esta medida com a necessidade de consolidar os dados dos ativos do partido para contrabalançar com valor do passivo, que recentemente o também secretário-geral ajunto do PSD, Bruno Coimbra, relembrou que é de 14 milhões de euros. O prejuízo do PSD agravou-se 38% em 2017, para 2,48 milhões de euros, face a 2016, penalizado pelo impacto negativo de três milhões de euros das eleições autárquicas.

"O PSD encontra-se a tomar conhecimento do património que tem, o seu estado de conservação, num ato normal de gestão interna"

Em 2014, o PSD declarou à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP), no Tribunal Constitucional, um património de 5,9 milhões de euros em edifícios, outras construções e terrenos.

Sede nacional quase foi vendida

O facto de há dez anos o então presidente do PSD Luís Filipe Menezes ter tentado vender a sede nacional, a moradia da Rua de São Caetano à Lapa, numa das zonas mais nobres da cidade, faz ainda tocar muitas campainhas no partido quando está em causa o património.

Em 2008, Menezes, que tinha como secretário-geral José Ribau Esteves (agora presidente da Câmara de Aveiro), tomou a decisão de vender a sede nacional do partido situada no bairro lisboeta da Lapa e comprar uma nova sede em Lisboa. Várias vozes no PSD levantaram-se contra esta decisão, mas a venda esteve mesmo por um fio.

Só que antigo presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia acabou por se demitir da liderança, em abril de 2008, e o compromisso muito adiantado que tinha com um comprador ficou suspenso. A venda foi dada por cancelada pela direção de Manuela Ferreira Leite. Na altura, foi o novo secretário-geral do PSD Luís Marques Guedes que comunicou às partes que estavam a negociar com o partido que a operação de venda ficava sem efeito.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.