Premium "Não há atendimento especializado para as vítimas a partir das sete da tarde"

Hoje é o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Elisabete Brasil faz um balanço do que o país tem feito e do que falta fazer para inverter os números negros do femicídio. São já 30 as vítimas mortais em 2019.

A 25 de novembro assinala-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Os números revelados na passada sexta-feira mostram que as mulheres continuam a sofrer violência extrema, sobretudo nas relações de intimidade. Em Portugal, cinco mulheres por mês são vítimas de atos violentos - três acabam por morrer às mãos dos seus agressores. São estas as conclusões do último relatório do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA) elaborado pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR).

O OMA reflete os números negros traçados pelas notícias publicadas na imprensa nacional entre o dia 1 de janeiro e 12 de novembro de 2019, período durante o qual houve 28 femicídios - nas relações de intimidade e familiares, dois femicídios (em contextos que não os de intimidade) e ainda 27 tentativas de femicídio.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG