"Centeno do PSD" deixa o Ministério das Finanças

Joaquim Miranda Sarmento pertencia aos quadros do ministério liderado por Mário Centeno, embora em licença sem vencimento há cerca de uma década. Foi agora exonerado a seu pedido.

Joaquim Miranda Sarmento, porta-voz do PSD para a área das Finanças Públicas, deixou definitivamente o Ministério das Finanças, onde era ainda funcionário do quadro. O despacho de exoneração foi publicado esta terça-feira em Diário da República. O documento refere que "cessou funções a seu pedido, por exoneração do contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado, o técnico superior especialista em orçamento e finanças públicas do Ministério das Finanças, Joaquim José Miranda Sarmento", uma decisão com efeitos a 15 de dezembro último.

Apesar de ainda pertencer aos quadros do ministério, o Centeno do PSD - como lhe chamou o líder social-democrata, Rui Rio - nunca se cruzou com Mário Centeno, o ministro das finanças socialista que tutela as contas públicas desde 2015. Há cerca de uma década que Joaquim Miranda Sarmento não trabalha no Terreiro do Paço - em 2009 foi em comissão de serviço para a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), depois pediu licença sem vencimento para fazer o doutoramento e, mais tarde, para assumir funções de assessor económico do então presidente da República, Cavaco Silva, quando este cumpria o segundo mandato.

Ao DN, o economista confirma ter pedido agora a exoneração do seu lugar de origem, dado que vai firmar um contrato definitivo com o ISEG (Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa), instituição onde leciona há vários anos como professor auxiliar de Finanças.

Na prática, Joaquim Miranda Sarmento trabalhou pouco mais de dez anos no ministério das Finanças - onde ingressou em 1998 por "concurso público", faz questão de dizer. Entre 2007 e 2009 passou cerca de dois anos e meio a trabalhar no gabinete do ministro Teixeira dos Santos, ainda no primeiro governo de José Sócrates.

O economista foi, com Álvaro Santos Almeida, o responsável pelo programa do PSD para a área da economia, assim como pelo cenário macro-económico que se transformou numa das armas de arremesso entre socialistas - leia-se Mário Centeno em específico - e sociais-democratas durante a campanha eleitoral.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG