Premium Sara pediu o fecho dos centros comerciais ao domingo. 55 mil já assinaram petição

O documento foi criado há cinco anos, mas depois das declarações do bispo do Porto a petição ganhou novo fôlego. Sara perdeu a vergonha e vai levar o pedido ao Parlamento.

Foi em 2014 que Sara Gonçalves resolveu lançar a petição online. Chamava-se "Pelo encerramento dos shoppings aos domingos". Cerca de 20 mil pessoas assinaram o documento. E assim ficou, no esquecimento. Acabou de ganhar nova vida, com as declarações do bispo do Porto, D. Manuel Linda, que na homilia da Páscoa se manifestou contra o trabalho aos domingos. Em apenas três dias, a petição já conta com 55 884 assinantes e o número não para de crescer. "Agora sinto que tenho a responsabilidade social de levar a petição ao Parlamento", diz a jovem.

A petição surgiu depois do regresso de Sara, com o marido, de um ano a viver e a trabalhar em Lyon. Sara é licenciada em Gestão Cultural e o namorado em Som e Imagem - mas, como emigrante, trabalhava nas limpezas. "Quando cheguei a Lyon fez-me muita confusão que os centros comerciais estivessem fechados ao domingo. Foi um choque. Depois, adaptei-me e percebi que fazia todo o sentido, porque as pessoas tinham mais qualidade de vida." De volta a Portugal, nasceu a ideia de tentar alcançar a mesma "qualidade de vida" que tinha em França. Queria muito implementar a ideia de "passar o domingo com a família" em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.