Premium Vilar de Mouros, um festival com muita história

Decorre neste fim de semana mais uma edição do Vilar de Mouros, um festival cuja história teve início há mais de 50 anos. O "Woodstock português", como também ficou conhecido, após a mítica edição de 1971, foi na época palco para grandes músicos, mas também para pequenas revoluções de costumes, que desafiaram a moral imposta pelo Estado Novo.

Foi em 1965 que Vilar de Mouros recebeu o primeiro festival, já lá vai mais de meio século. Organizado por António Barge, um respeitado médico da terra, era dedicado ao folclore minhoto e três anos mais tarde, em 1968, alargou o espetro a outros estilos, como o fado ou a música erudita, mas também à chamada música de intervenção, bastante malvista pelo regime de então. Para a história ficariam as atuações de Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira, cujas "canções proibidas" seriam "cantadas em coro pelo público", como referiam os relatórios da PIDE.

Seria, no entanto, preciso esperar até 1971 para assistir a um fenómeno inédito não só em Portugal como na maior parte da Europa: um festival com mais de 20 mil pessoas presentes, que rompeu por completo com os cânones impostos pela ditadura. Os dias de liberdade então vividos no "Woodstock português", como ficou conhecido o festival, marcariam toda uma geração, já influenciada pela cultura hippie, mas ainda amordaçada pela moral do regime. No cartaz e pela primeira vez, abria-se também a porta ao rock e também por esse motivo, para a história, esta é que ficaria conhecida como "a primeira edição", como refere Tózé Brito, 66 anos. O cantor, compositor e administrador da SPA integrava na altura o Quarteto 1111, que também atuou no festival. "Foi uma pedrada no charco, pela quantidade de gente que conseguiu juntar, mas especialmente pela liberdade que se viveu", recorda. Uma liberdade ainda assim vigiada de perto pelas autoridades. "Foi em Vilar de Mouros que vi, pela primeira vez, gente a fumar charros e a fazer nudismo. Estava lá a GNR e alguns elementos da PIDE, que se topavam à distância, mas nunca intervieram. Creio que estavam mais preocupados com a música de intervenção e não deram o devido valor ao potencial revolucionário do rock." Nem sequer repararam que o Quarteto 1111 começou o concerto a cantar, a capella, o Glory Glory Alleluia, hino antirracista da guerra civil americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.