Corrupção

Um processo que seja aberto e que acabe sem acusação prova que a justiça não funciona; uma acusação que acaba em absolvição mostra que as garantias processuais só servem para defender os ricos e os poderosos; uma calúnia ou uma vaga suspeita num tabloide é suficiente para se mostrar que há ali marosca e que mais uma vez um malandro sairá impune.

A Operação Marquês e o caso BES chegariam para pensarmos que temos um problema com a corrupção. Infelizmente, não parece que o assunto se resuma a esses dois megaprocessos. Existem indícios, e em alguns casos mais do que isso, da existência de outros processos de bem menor dimensão mas semelhantes.

Há, depois, questões menos faladas ou, pelo menos, menos evidentes que se enquadram num problema mais vasto. A corrupção das cunhas, dos processos administrativos que passam para o topo da pilha, dos favores, dos colegas de partido que são escolhidos para fornecedores de serviços variados (de jurídicos a de jardinagem, passando pelos muito conhecidos serviços de comunicação e imagem) nas câmaras que o partido gere sem outro critério que não seja o da troca de favores.

Estou convicto de que muito do tráfico de influência e corrupção passa por essas aparentemente pequenas e grandes, digamos, irregularidades.
A luta contra estes fenómenos tem, claro está, de ser sem tréguas.

Estabeleceu-se, contudo, a perceção, arrisco dizer, a convicção generalizada de que vivemos num país minado pela corrupção e que, senão todos, a maioria dos nossos problemas como comunidade advêm dela. Mais, qualquer pessoa que diga que a corrupção em Portugal não é maior nem menor do que na maioria dos países com que nos comparamos, de que não perturba o normal funcionamento das instituições, de que não é a causa principal de questões como o nosso limitado desenvolvimento económico, social e cultural é imediatamente apelidado de amigo ou mesmo colaborador dos corruptos.
Convém aqui lembrar que os estudos sobre corrupção de que tanta gente fala são sobre a perceção de corrupção. Ou seja, se convencermos as pessoas de algo que elas não sabem se existe, isso passa a existir.

Os que têm feito pela vida a promover estas teses estão de parabéns. Contribuíram decisivamente para a perceção generalizada de que vivemos praticamente num Estado falhado, uma espécie de Guiné-Bissau ou Albânia.

Vivemos uma situação terrível. Por um lado, temos situações de corrupção, tráfico de influências e demasiadas situações de aproveitamento privado de bens públicos que têm de ser investigadas e, eventualmente, julgadas e condenadas. Por outro, gente que quer convencer, e convence mesmo, a opinião pública de que vivemos num país a saque, em que a corrupção é coisa estabelecida e que a maioria dos poderes públicos ou é corrupta ou é conivente. A hipótese de haver justiça é na nossa atual realidade muito baixa.

Nesse grupo existirá um pequeno conjunto de pessoas que realmente acreditam que vivemos mesmo num país a saque, mas o grosso da coluna fá-lo por agenda política ou muito simplesmente por razões venais.

Se, por um lado, temos setores do nosso sistema judicial que parecem alinhar e promover o clima instalado de que a corrupção impera, não julgo que seja essa a realidade de todo o edifício, longe disso.

A justiça é a primeira vítima do estado de coisas. Um processo que seja aberto e que acabe sem acusação prova que a justiça não funciona; uma acusação que acaba em absolvição mostra que as garantias processuais só servem para defender os ricos e os poderosos; uma calúnia ou uma vaga suspeita num tabloide é suficiente para se mostrar que há ali marosca e que mais uma vez um malandro sairá impune.

Os juízes são pessoas como nós, vivem nos mesmos lugares, leem as mesmas coisas, são igualmente afetados pelas perceções conjunturais. A pressão que sentem para decidir em razão do que as "pessoas sentem" será gigantesca. É, com certeza, muito difícil para um juiz viver num ambiente em que a condenação pública está feita e absolver um arguido, como não será igualmente fácil para um homem ou uma mulher do Ministério Público não acusar alguém que já foi declarado suspeito por um tabloide. A capacidade, assim, de fazer justiça está muito limitada. E chegamos ao extremo de ter de esclarecer que fazer justiça é aplicar a lei no caso concreto e não as supostas provas que aparecem divulgadas em redes sociais e tabloides.

Se a justiça vive sob uma enorme pressão, as consequências políticas não se farão esperar, estão aí aliás. As soluções para o lodaçal e roubalheira generalizada em que supostamente vivemos já são conhecidas: inverte-se o ónus da prova, instaura-se a delação premiada, limita-se a presunção de inocência, desculpa-se o eventual abuso de poder das forças policiais. Ou seja, acaba-se com o Estado de direito e a democracia, regime que, convém lembrar aos mais distraídos, é o menos propício à corrupção: as ditaduras são, por definição, a institucionalização da corrupção.

Num país em que não há um problema de imigração, em que o tema da insegurança não é relevante (há, no entanto, um esforço claro para que a perceção seja outra), em que a agenda das "pessoas que põem em causa o nosso modo de vida" e a luta contra o politicamente correto ainda se resume a um pequeno grupo de pessoas (apesar de vir de alguma gente com notoriedade na comunidade), o tema corrupção seria sempre o cavalo de batalha de agendas políticas radicais e antidemocráticas.

Nada pode perturbar mais a luta contra a corrupção do que o clima em que vivemos e, para mal de nós todos, será em nome de uma maneira deturpada de luta contra ela que as maiores ameaças à nossa democracia virão.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...