7 dias, 7 propostas por São José Lapa

1. Teatro
Só Eu Escapei
Teatro Aberto, Lisboa
Paranormal
Teatro Villarett, Lisboa
domingo, 23 de maio

Neste domingo aconselho a verem a peça Só Eu Escapei no Teatro Aberto com Lidia Franco, Catarina Avelar, Lídia Franco, Maria Emília Correia e Márcia Breia, uma peça com encenação de João Lourenço a partir de umtexto da dramaturga britânica Caryl Churchill. As atrizes nesta peça são pessoas de quem gosto. Ou então irem ver o Joaquim Monchique em Paranormal no Teatro Villaret, que é um monólogo. Vejo muito teatro. No geral dou sempre uma vista de olhos pelo que está em palco, se bem que nos últimos tempos não tem sido possível por causa da pandemia. Mas faz parte ver teatro, sobretudo para quem como eu que foi tão mal amada pela Direção Geral das Artes. Existiu um círculo que contrariou quase tudo aquilo que eu pudesse fazer na altura do governo de Passos Coelho, foi quase uma censura partidária, e eu que não sou de nenhum partido. Não estando no centro de Lisboa, no Espaço das Aguncheiras, a 50 quilómetros de Lisboa, não fomos tomados em conta. E temos feito muitos espetáculos por lá nos últimos 14 anos. Mas já passou e conseguimos sobreviver.

2. Ler
14 peças de Abel Neves
Da Compaixão - Chove e Sol em Paris
No Espaço das Aguncheiras (Só a partir de julho)
Segunda, 24 de maio


Começar por ler as peças de Abel Neves (Montalegre, 1956). As edições Humus publicaram as 14 peças dele. Isto para depois, nos primeiros dois fins-de-semana de julho ir ver Da Compaixão - Chove e Sol em Paris , que vai ser reposta no Espaço das Aguncheiras, perto do Cabo Espichel. Depois, ness altura, sugiro irem comer aos restaurantes muito simples ali perto das Aguncheiras da zona da Azóia e Casais da Azoia que têm sempre bom peixe.

3. Vídeo
Restaurante Clube de vídeo
Filme A Árvore da vida
Terrence Mallick
Terça, 25 de maio


Sugiro irem comer ao Clube de Vídeo no Beato que é de uma querida amiga. E depois escolher um filme para ver em casa. Proponho A Árvore da Vida, um filme de 2009, do Terrence Mallick, com Brad Pitt e Sean Pean, entre outros, que fica sempre bem. Há tantos, tantos filmes para ver...

4.Passeio
Beira Tejo
Cais do Sodré à Fundação Champalimaud
Restaurante do Clube Naval de Lisboa
quarta, 26 de maio


Ir passear junto ao rio Tejo. Podem começar no Cais do Sodré, para irem quase sempre junto ao rio e parar no restaurante do Clube Naval de Lisboa. No passado ia lá muitas vezes com os meus pais. É muito agradável estar a comer e a olhar para o rio e ver passar os barcos. E depois, para digerirem a refeição, passear mais um pouco e ir até à Fundação Champalimaud, Depois, se tiver coragem, regressar a pé, ou então apanhar o eletrico que ao fim do dia é um passeio muito agradável.

5.Museus
Rua das Janelas Verdes, Lisboa
Museu Nacional de arte Antiga e Museu da Marioneta
E passeio a pé pela baixa
quinta, 27 de maio


Ir ver a exposição ao Museu Nacional de Arte Antiga, na rua das Janelas Verdes e/ou ir ao Museu da Marioneta, ali bem perto no Convento da Bernardas. Tem sempre coisas a acontecer. Ando muito a pé em Lisboa, praticamente não uso o carro na cidade. Como moro na Lapa também gosto de apanhar o electrico, que no verão vai quase sempre com as janelas abertas e é muito agradável ir até essa zona dos museus. Como já referi adoro andar a pé, e vou muitas vezes de casa para a Baixa da cidade e volto. O bom de andar a pé é descobrir ruas interessantes que nem sabiamos que existiam.

6. Monólogo
Todas as Coisas Maravilhosas
Estúdio Time Out
Às 19 horas
Sexta, 28 de maio

Ir ao teatro, mais uma vez, ver o Ivo Canelas na peça Todas as Coisas Maravilhosas, que vai estar em cena até 28 de maio no Estúdio Time Out. É um monologo escrito por Duncan Macmillan. E depois aconselho jantar por ali nos vários restaurantes que existem no Mercado. Para o final do dia aconselho um livro que ando a ler, que me deu a minha filha, que se chama A Cadela, escrito por Pilar Quintana. O livro foi finalista do National Book Award 2020 no Estados Unidos. É sobre Damaris, uma mulher negra de 40 anos que toda a vida quis ser mãe mas nunca conseguiu engravidar.

7. Exposição
Museu do Oriente
Teresa Cortez: Um Mundo Lúcido à Espreita
Museu Fundação Oriente
sábado, 29 de maio


Visitar a exposição de Teresa Cortez Um Mundo Lúcido à Espreita no Museu Fundação Oriente. Teresa Cortez fez a sua formação académica na Escola de Artes Decorativas António Arroio e desde 1975, a sua aprendizagem prática na arte cerâmica em ambiente fabril (Fábrica Viúva Lamego) junto do Mestre Querubim Lapa. A exposição via estar patente até ao dia 12 de setembro. E depois aconselho apanharem um cacilheiro e irem lanchar ou jantar na outra margem do rio Tejo.


As escolhas e propostas da atriz e encenadora São José Lapa

filipe.gil@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG