Premium

Bairro da Jamaica

A violência no Jamaica tem três versões. Do pai, da vítima e a verdadeira?

Uma zaragata entre duas raparigas transformou-se num caso polémico em que se fala de violência policial e racismo. Será assim? Há versões diferentes. E há quem no bairro chore o regresso às notícias, por maus motivos.

A calma que se vivia na tarde desta segunda-feira no Bairro da Jamaica, no Seixal, contrastava com a violência que as televisões haviam de mostrar, na Av. da Liberdade, em Lisboa, e com as imagens da ação policial que toda a gente vira, no bairro, no dia anterior. Os moradores iam deixando desejos de boa tarde quando passavam junto de Fernando Coxi - mostrando uma vizinhança educada e correta no trato.

Ou seja, exatamente o contrário do que se tinha passado pouco mais de 24 horas antes, quando a rua de terra e água a escorrer pelo chão fora palco de uma minibatalha entre moradores primeiro e depois com agentes da PSP que, chamados a intervir num dos maiores bairros ilegais do concelho, se envolveram numa cena violenta. É curioso que isto aconteça quando o bairro tem sido novamente notícia mas por boas razões. Começaram as operações de realojamento das centenas de famílias que ali vivem em edifícios que estão por acabar desde os anos 80 do século passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.