Premium Estaline e o "Museu Salazar"

Pensava abster-me na "discussão", com mais ruído do que substância, em torno do chamado "Museu Salazar". Com a ironia própria do real, essa força, segundo Ortega, ilógica para a nossa mente, acabei por decidir entrar na liça. O bizarro motivo para tal foi a divulgação pelos EUA de algumas atas secretas da Conferência de Potsdam. Ao ler os materiais relativos a 19 de julho de 1945, deparei com uma interessante discussão entre o demissionário Churchill (sairia de cena a 26 desse mês) e Estaline. Este queria que os Aliados dessem uma ajuda à mudança de regime em Espanha. Para ele, Franco só se tinha imposto devido ao apoio militar de Hitler e de Mussolini. Churchill estava contra, dizendo que, nesse caso, também o regime de Salazar teria de ser posto em causa. A resposta de Estaline é surpreendente: "O regime de Portugal surgiu a partir de forças internas, o de Espanha de forças externas. Eu não coloco no mesmo plano Espanha e Portugal." Com incredulidade, aceitei a deixa que um dos mais terríveis terroristas de Estado de sempre me oferecia para abordar o tema do dia.

Muitos dos críticos do Estado Novo partem de um fatal erro metodológico. Em vez de tentar compreender esse regime e o seu longevo líder a partir de dentro da história de Portugal, fazem um exercício emocional de externalização, que é intelectualmente de uma preguiça inaceitável. Colocam Salazar no mesmo plano de Hitler e de Mussolini, e recusam-se até a classificar o Estado Novo como II República. Na minha leitura, pelo contrário, o Estado Novo e o seu chefe prolongaram três problemas nacionais que só foram resolvidos com o 25 de Abril e a III República, a saber: a superação da violência política; a consolidação da democracia representativa; e o fim do ciclo imperial. A I República impôs-se violentamente e nunca conseguiu livrar o país de uma guerra civil de baixa intensidade, que os 200 mortos (muitos deles fuzilados contra a parede) e mil feridos do derrube do governo de Pimenta de Castro em 1915 tristemente ilustram. Salazar não acabou com a violência, mas concentrou-a nos órgãos de polícia e reprimiu a sua difusão, reativando a vetusta gestão inquisitorial do medo. De igual modo, Salazar, tal como a I República, desconfiava do regime representativo (a monarquia constitucional não protegeu D. Carlos I de ser assassinado...). O regime corporativo tem raízes ideológicas nacionais, não só no catolicismo conservador e no integralismo monárquico, mas, como escreveu António José Saraiva, nas meditações de 1878 de Oliveira Martins sobre "democracia orgânica", e noutras ideias da "tertúlia ocidental". Finalmente, a guerra colonial encarniçada de Salazar replicou o fanatismo dos "guerristas" de Afonso Costa, que atolaram o CEP na Flandres para salvar as colónias africanas. Quando um país se recusa a rever-se nas sombras da sua história, e atribui causalidade externa ao que dolorosamente lhe pertence, isso significa que não há ainda nem distância nem maturidade para um exercício museológico.

Professor universitário

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG