Premium Peter Francisco: açoriano que é herói americano agora em filme

Nasceu nos Açores mas aos 5 anos foi para os EUA. Tornou-se um homem enorme e foi herói da Revolução Americana. O filme que conta a vida de Peter Francisco vai ser rodado em 2019 também na ilha Terceira

"Uma criança portuguesa raptada por traficantes de escravos vai lutar na Revolução Americana para ganhar a sua liberdade e o direito a estar com a mulher que ama." Imaginem estas palavras mas ditas em inglês por uma daquelas vozes que anunciam os filmes que vão estrear em Hollywood. Será assim o teaser de Luso, o filme que conta a história de Peter Francisco, açoriano que se tornou herói na América. Quem é o garante é Travis Bowman, descendente de Peter Francisco e que é o produtor do filme que está a ser planeado há uns cinco anos e que, finalmente, vai tornar-se realidade: a rodagem deverá acontecer em 2019, com passagem no verão pela ilha Terceira. O protagonista é o ator Brian Patrick Wade.

"A bisneta de Peter Francisco, Rosalie Francisco, era a minha bisavó, do lado materno", conta ao DN Travis Bowman. "A primeira vez que ouvi falar dele foi quando era miúdo e os Correios americanos o puseram num selo. Isso fez que se falasse muito dele na nossa família. A minha avó adorava contar histórias sobre ele." Mas só em 2006, quando se mudou para a Carolina do Norte e visitou o monumento que lhe é dedicado em Greensboro, se começou a interessar verdadeiramente por Peter Francisco: "Houve duas coisas que realmente tiveram impacto em mim", conta Travis Bowman. "Primeiro, descobri que Peter e eu temos a mesma altura, 1,98 metros. Depois, descobri que a Virgínia tinha decidido homenagear Peter Francisco no mesmo dia em que eu nasci (a 23 de fevereiro de 1973). Percebi que havia um chamamento divino: a minha função é contar ao mundo a história do meu famoso antepassado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.