CP corta comboios na hora de ponta em Sintra e Cascais

Falta de material e de dinheiro para peças leva empresa pública a reduzir serviço em duas das principais linhas do país. Linha do Oeste também é afetada pelos cortes.

A CP prepara-se para cortar nos comboios das linhas de Sintra e de Cascais. A partir de 5 de agosto haverá menos viagens na hora de ponta em duas das linhas mais movimentadas do país. Os problemas de manutenção nas oficinas da EMEF e a falta de dinheiro para comprar peças são as principais razões para estes cortes, segundo a comissão de trabalhadores. Os problemas estendem-se à Linha do Oeste, onde vai deixar de haver comboio direto entre Caldas da Rainha e Coimbra.

A Linha de Sintra será a mais afetada. Além do fim do comboio direto entre Sintra e Alverca - que funcionava apenas na hora de ponta, entre as 06.26 e as 09.26 -, a ligação entre Mira Sintra-Meleças e Rossio passará a ser feita de meia em meia hora, em vez de ser a cada 20 minutos, segundo a página oficial da CP.

A Linha de Cascais também não escapa aos cortes: na hora de ponta, entre Cais do Sodré e Cascais, os comboios passarão a partir de 15 em 15 minutos, em vez de ser de 12 em 12 minutos. Esta situação também afeta o troço entre Cais do Sodré e Oeiras. Ao todo, serão menos dois comboios por hora no período de maior afluência.

"Nestas linhas é preciso poupar material para que as peças possam servir para outros comboios. Como não há dinheiro para comprar essas peças, é preciso esticar o material que existe neste momento", explica José Reizinho, da comissão de trabalhadores da CP, ao Dinheiro Vivo.

Os problemas são mais graves na Linha do Oeste. A CP vai acabar com o comboio direto entre Caldas da Rainha e Coimbra, que demora uma hora e 55 minutos. A partir de 5 de agosto, os passageiros terão de passar de uma automotora diesel para uma UTE - unidade tripla elétrica na estação da Amieira, que vai voltar a ser utilizada após cinco anos de paralisação. O fim desta ligação também reduz o número de viagens entre Leiria e Mira Sintra-Meleças e passará a haver apenas duas viagens por dia - em vez de três - entre Caldas da Rainha e Santa Apolónia.

"A Linha do Oeste não tem material novo e precisa urgentemente de eletrificação. Está no pico de saturação", lamenta José Reizinho. Os comboios mal têm passado nesta linha nos últimos meses por causa das sucessivas supressões. E há mesmo dias em que os autocarros nem sequer chegam para substituir o serviço ferroviário. O Ministério das Infraestruturas diz que nos próximos meses será lançado o concurso para a modernização e eletrificação do troço entre Caldas da Rainha e Mira Sintra-Meleças, num investimento de 112 milhões de euros.

A nível nacional, no entanto, os problemas com o material circulante não deverão ficar resolvidos tão cedo. A EMEF, a empresa que faz a manutenção e reparação de comboios, tem falta de pessoal e de peças para responder à altura.

A CP, além do serviço regional e urbano, vai mexer nos horários do Alfa Pendular e Intercidades. A viagem de comboio entre Lisboa e Porto vai demorar mais seis minutos a partir de 5 de agosto. Este é o impacto das obras de renovação na linha de caminho-de-ferro que estão a decorrer na Linha do Norte, no troço entre Ovar e Gaia, a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP). A CP, ainda assim, não vai reduzir o número de viagens. O primeiro comboio de Lisboa para o Porto vai passar a sair às 06.30 (em vez de ser às 06.00); a última viagem mantém o horário de saída às 21.30, conforme o Dinheiro Vivo noticiou no dia 10 deste mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.