CP corta comboios na hora de ponta em Sintra e Cascais

Falta de material e de dinheiro para peças leva empresa pública a reduzir serviço em duas das principais linhas do país. Linha do Oeste também é afetada pelos cortes.

A CP prepara-se para cortar nos comboios das linhas de Sintra e de Cascais. A partir de 5 de agosto haverá menos viagens na hora de ponta em duas das linhas mais movimentadas do país. Os problemas de manutenção nas oficinas da EMEF e a falta de dinheiro para comprar peças são as principais razões para estes cortes, segundo a comissão de trabalhadores. Os problemas estendem-se à Linha do Oeste, onde vai deixar de haver comboio direto entre Caldas da Rainha e Coimbra.

A Linha de Sintra será a mais afetada. Além do fim do comboio direto entre Sintra e Alverca - que funcionava apenas na hora de ponta, entre as 06.26 e as 09.26 -, a ligação entre Mira Sintra-Meleças e Rossio passará a ser feita de meia em meia hora, em vez de ser a cada 20 minutos, segundo a página oficial da CP.

A Linha de Cascais também não escapa aos cortes: na hora de ponta, entre Cais do Sodré e Cascais, os comboios passarão a partir de 15 em 15 minutos, em vez de ser de 12 em 12 minutos. Esta situação também afeta o troço entre Cais do Sodré e Oeiras. Ao todo, serão menos dois comboios por hora no período de maior afluência.

"Nestas linhas é preciso poupar material para que as peças possam servir para outros comboios. Como não há dinheiro para comprar essas peças, é preciso esticar o material que existe neste momento", explica José Reizinho, da comissão de trabalhadores da CP, ao Dinheiro Vivo.

Os problemas são mais graves na Linha do Oeste. A CP vai acabar com o comboio direto entre Caldas da Rainha e Coimbra, que demora uma hora e 55 minutos. A partir de 5 de agosto, os passageiros terão de passar de uma automotora diesel para uma UTE - unidade tripla elétrica na estação da Amieira, que vai voltar a ser utilizada após cinco anos de paralisação. O fim desta ligação também reduz o número de viagens entre Leiria e Mira Sintra-Meleças e passará a haver apenas duas viagens por dia - em vez de três - entre Caldas da Rainha e Santa Apolónia.

"A Linha do Oeste não tem material novo e precisa urgentemente de eletrificação. Está no pico de saturação", lamenta José Reizinho. Os comboios mal têm passado nesta linha nos últimos meses por causa das sucessivas supressões. E há mesmo dias em que os autocarros nem sequer chegam para substituir o serviço ferroviário. O Ministério das Infraestruturas diz que nos próximos meses será lançado o concurso para a modernização e eletrificação do troço entre Caldas da Rainha e Mira Sintra-Meleças, num investimento de 112 milhões de euros.

A nível nacional, no entanto, os problemas com o material circulante não deverão ficar resolvidos tão cedo. A EMEF, a empresa que faz a manutenção e reparação de comboios, tem falta de pessoal e de peças para responder à altura.

A CP, além do serviço regional e urbano, vai mexer nos horários do Alfa Pendular e Intercidades. A viagem de comboio entre Lisboa e Porto vai demorar mais seis minutos a partir de 5 de agosto. Este é o impacto das obras de renovação na linha de caminho-de-ferro que estão a decorrer na Linha do Norte, no troço entre Ovar e Gaia, a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP). A CP, ainda assim, não vai reduzir o número de viagens. O primeiro comboio de Lisboa para o Porto vai passar a sair às 06.30 (em vez de ser às 06.00); a última viagem mantém o horário de saída às 21.30, conforme o Dinheiro Vivo noticiou no dia 10 deste mês.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.