Envelhecido, com pouca educação, mal pago. O retrato de Portugal na Europa

No Dia Europeu da Estatística, a Pordata lança um retrato de Portugal na Europa, uma comparação com os outros Estados-membros em 11 áreas da sociedade.

Os portugueses são dos que trabalham mais horas na Europa mas têm menos formação e uma produtividade inferior. Estão também entre os que menos recebem. Estas são algumas conclusões do Retrato de Portugal na Europa, uma série de 80 estatísticas lançadas neste domingo pelo Pordata, para assinalar o Dia Europeu da Estatística.

"Esta é uma atualização aos dados apresentados há um ano em Bruxelas e que nos parecem muito importantes para que as pessoas tenham conhecimento de como Portugal se coloca no contexto da UE", afirmou ao DN/Dinheiro Vivo Gonçalo Saraiva Matias, diretor de Estudos da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS).

Entre os 11 cenários analisados pelo gabinete de estatísticas da FFMS, o do emprego é o menos animador. Portugal tem uma taxa de atividade de 58,9% ligeiramente acima da média da UE (57%) e, no total dos 28 Estados membros, é o país que tem um nível de escolaridade dos empregadores mais baixo. Na prática, por cada cem patrões, metade não chegou a completar o ensino superior ou secundário. O cenário repete-se nos empregados: por cada cem pessoas que trabalham por conta de outrem, 42,2 não têm formação secundária ou superior. Portugal é mesmo, entre os 28, o país onde a educação é mais baixa, logo seguido por Malta, Espanha e Itália (em ambos os indicadores).

Mas o esforço para melhorar tem sido grande: em 2002, quase 80% dos patrões ficavam-se pelo ensino básico. "Penso que é um fator que ajuda a explicar parte do desajuste estrutural de Portugal [face a outros países], mas a evolução mostra o grande investimento que tem sido feito na educação", destaca Gonçalo Saraiva Matias.

Num mercado de trabalho onde as mulheres ainda têm menos palco do que os homens (50,4% vs. 60,2%), uma realidade que se estende a toda a Europa, Portugal destaca-se entre os que trabalham mais horas: 35,8 horas semanais, o quinto maior valor da UE e dez horas a mais do que as que se trabalha por semana na Alemanha, o país com menor carga laboral entre os 28. "Há uma ideia errada de que no sul da Europa se trabalha pouco, há muitas férias e muitos fins de semana. Estes dados desmentem-no", lembra o diretor de estudos da FFMS.

Muito tempo no trabalho não significa, porém, alto rendimento - pelo contrário, os trabalhadores portugueses são os sextos menos produtivos da UE. A diferença entre as horas trabalhadas e o baixo rendimento só é maior na Polónia, o país onde se trabalha mais tempo e o quarto menos produtivo da UE. Em Portugal, a produtividade, que é medida em função das horas trabalhadas, é de 64,1, bem menos de metade da Irlanda, o país mais produtivo (178).

No que se refere a salários, os portugueses não ficam melhor no retrato: estão em 21.º lugar. A remuneração média é de 25 526 PPS (poder de compra padrão, unidade artificial que pesa quanto dinheiro permite comprar a mesma quantidade de bens e serviços em todos os países), quando a média da Europa é de 37 mil PPS. No Luxemburgo, o país onde os trabalhadores recebem melhor, são 56 900 PPS.

Quando o tema é o mercado de trabalho é que Portugal consegue brilhar na comparação europeia, com uma taxa de desemprego que se fixa nos 6,6% nos homens e nos 7,4% nas mulheres.

Há ainda outro tema em que Portugal se destaca, quando se alarga o espectro para fora do mercado laboral: a esperança média de vida, que é por cá superior à média europeia. Também é boa notícia o facto de sermos o país com a sétima menor taxa de mortalidade infantil, o que, lembra Gonçalo Saraiva Matias, é fruto de um grande investimento em saúde ao longo dos anos. Temos ainda o quarto maior consumo privado em percentagem do PIB.

No que respeita ao assunto do momento, o ambiente, a fotografia também nos favorece, com um valor inferior à média europeia no que respeita ao número de emissões de gases com efeito estufa.

Dez curiosidades (nem sempre boas) de Portugal na Europa

1. É o 3.º país com menor percentagem de jovens no total da sua população residente.
2. É, com a Alemanha, o país onde a fatura da eletricidade é mais pesada.
3. Vive-se em média mais ano e meio do que na média europeia - 81,6 anos.
4. É o 7.º país com menor taxa de mortalidade infantil.
5. Está em quinto lugar entre os países com maior desigualdade na distribuição dos rendimentos.
6. É o 7.º país com maior abandono escolar.
7. É o país com maior percentagem de trabalhadores sem ensino secundário.
8. É o 3.º país com maior percentagem de trabalhadores com contrato de trabalho temporário.
9. É o 3.º país com maior dívida das administrações públicas.
10. É o terceiro país da UE com menos empresas com um website.

Jornalista do Dinheiro Vivo