Premium 50 anos depois James Bond vai voltar ao Estoril

No sábado, o ator George Lazenby volta ao Hotel Palácio, no Estoril, onde foi rodado o filme Ao Serviço de Sua Majestade. E vai reencontrar o concierge José Diogo.

Todos os dias há alguém a perguntar por José Diogo no Hotel Palácio, no Estoril. "Onde está o senhor que entrou no filme de James Bond?", questionam os turistas. O concierge de 69 anos não se importa com a curiosidade. Dá autógrafos, deixa-se fotografar e conta com prazer como, há 50 anos, apareceu no filme Ao Serviço de Sua Majestade, que foi em parte filmado em Portugal.

"Trabalho aqui desde 11 de maio de 1964", conta o concierge. Chegou ao hotel ainda com 14 anos para ser "mandarete", ou seja, "um dos rapazes que faziam os recados aos hóspedes". Depois disso passou a ajudante de porteiro e, por fim, a porteiro. Era esse o seu cargo quando a equipa de rodagem de Ao Serviço de Sua Majestade se instalou ali. "Só os artistas principais", corrige José Diogo. "Os outros técnicos ficaram noutros hotéis." Um dia, vieram perguntar-lhe se ele queria entrar no filme. Uma coisa fácil: só tinha de entregar a chave do quarto 516 ao ator que fazia de James Bond. Ele aceitou, entusiasmado. Tinha 18 anos e iria aparecer num filme que seria visto no mundo inteiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.