A Lua não é para lunáticos

Lembro-me nitidamente dessa madrugada de 21 de julho de 1969, quando a RTP transmitiu a chegada da Apollo 11 à Lua. As imagens eram a preto e branco, mas a vivacidade da memória reinventa as cores que não se encontravam no ecrã. Lembro-me da expectativa crescendo ao longo das semanas precedentes. De um passeio ao luar, nas horas anteriores. Em menos de 30 anos, os EUA realizaram os dois maiores projetos de Big Science da história mundial. O Manhattan, que transformou os EUA na primeira potência atómica. E o projeto da ida à Lua, anunciado pelo malogrado J.F. Kennedy. Em ambos os casos, a dimensão militar e estratégica esteve presente. No primeiro caso, os EUA evitaram que Hitler chegasse primeiro ao cogumelo atómico. No segundo caso, Washington anulou a breve vantagem que a URSS tinha ganho nos vetores de mísseis balísticos intercontinentais, recolocando a Guerra Fria no patamar da dissuasão pelo terror, isto é, da destruição mútua assegurada (MAD). Nesse tempo os EUA eram um império, e por isso tinham um discurso universal. Quem seguiu a proeza sentiu-se representado na sua condição de membro da humanidade. Se fosse hoje, o chauvinismo reinante faria desligar a televisão. Em 1969, na Casa Branca, a humanidade fazia vibrar esperanças ecuménicas. Hoje não passa de um conceito taxonómico e zoológico.

Hoje a exploração espacial mudou completamente. As coisas importantes que são feitas não têm a atenção devida. Viagens não tripuladas, infinitamente mais económicas, chegaram aos confins do sistema solar e para além dele. A planetologia comparada permite conhecer melhor o nosso próprio planeta. Muito do que sabemos sobre alterações climáticas pode ser confirmado no estudo da atmosfera de Vénus. A imensa rede de satélites ajuda a conhecer melhor o que se passa na Terra. A mudança dos usos do solo, a destruição de habitats, o desaparecimento da criosfera e a agonia da biodiversidade. As ciências espaciais adultas são as que se juntam às ciências da Terra para tentar resgatar o nosso planeta do abismo para onde todos nos dirigimos. Em 1969 éramos 3,6 mil milhões. Em 2019 mais do que duplicámos: 7,7 mil milhões. Em 1969, a concentração dos gases de efeito de estufa ainda estava abaixo da linha de perigo: 324 ppmv. Hoje estamos em 415 ppmv. Só entre 2010 e 2019 aumentámos 22 ppmv! O Público entrevistou há dias Alan Stern, o responsável pelo programa espacial New Horizons, visando Plutão. Entre muitas coisas interessantes, Stern diz acreditar que dentro de 300 anos seremos mais a viver fora da Terra do que nela... Na verdade, não existem cursos de senso comum, e até os cientistas têm direitos aos seus disparates... As viagens tripuladas enfrentam um obstáculo de inovação que não parece superável: transportar pessoas não é a mesma coisa do que transportar feixes de luz e informação. O meu prognóstico é simples: perante o desafio existencial da crise ambiental e climática, ou sobreviveremos ao lado uns dos outros ou pereceremos numa guerra de todos contra todos. Não em 300, mas em 40 ou 50 anos.

Professor universitário

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?