Atenção: há radares de velocidade em Lisboa

Nove multas em apenas uma hora na estreia dos radares de velocidade em Lisboa

A era moderna chegava à polícia de trânsito e o DN relatava o momento histórico: pela primeira vez, a polícia da cidade de Lisboa teria radares para controlar a velocidade a que seguiam os carros - e multá-los, caso violassem os limites impostos pela lei.

Nesta edição, o DN contava, passo por passo, como decorrera a estreia dos radares em Lisboa e como funcionava o esquema.

Sentado semioculto atrás de um poste em plena Avenida Gago Coutinho, "o agente no primeiro posto prime o botão de controlo à passagem de qualquer veículo em excesso de velocidade, informando simultaneamente pelo telefone do aparelho os postos seguintes da matrícula do carro em transgressão". O agente no segundo posto confirmaria o crime e um terceiro, mais adiante, aplicaria a multa. O sistema era complexo mas eficaz. Numa só hora do dia de estreia dos radares, nove condutores eram autuados por circular a mais de 60 km/h, o limite então estabelecido. Um deles "percorrera mais de 150 metros em nove segundos", relatava o DN.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.