Contra o realismo televisivo

Que tipo de realismo domina hoje o espaço televisivo? A pergunta pode levar-nos a repensar muitas linguagens, desde o jornalismo à reality TV.

Porque é que a maioria dos intelectuais portugueses abandonou o campo de reflexão sobre a televisão?

Bem sei que a simples formulação da pergunta atrai os mais agressivos sectarismos (aliás, empolados por essa ausência de pensamento). Assim, é difícil, porventura impossível, relembrar a urgência de reflexão sobre a contaminação populista do espaço televisivo, inseparável de uma metódica degradação dos mais primordiais padrões jornalísticos. Mas é fácil, é mesmo comum, manter em circulação a ideia (?) segundo a qual os intelectuais demonizam automaticamente a televisão, toda a televisão.

Será preciso repetir que, com os seus infinitos contrastes e contradições, a paisagem televisiva existe como elemento visceral de todas as nossas vivências, desde as convulsões da cena política à definição da intimidade? E será que alguém duvida que, nas suas expressões mais nobres, em particular no domínio da ficção, a televisão contemporânea contém propostas e experiências absolutamente fascinantes?

O certo é que quase ninguém reformula uma pergunta nuclear que, de uma maneira ou de outra, tem acompanhado a história da televisão. É uma pergunta herdada do universo cinematográfico: através das imagens (e dos sons) da televisão, como é que vemos, compreendemos e avaliamos o mundo à nossa volta?

Em boa verdade, a pergunta tornou-se frágil e até equívoca, porque cega à própria contaminação televisiva de toda a nossa existência. Desde a mais básica informação (as conferências de imprensa dos políticos proferidas a pensar no horário nobre) à formatação da vida sexual (os horrores quotidianos da reality TV), a televisão não é o espelho de uma qualquer realidade - é essa realidade transformada em elemento virtual do mundo material.

O calendário das efemérides pode ajudar-nos a pensar um pouco da complexidade que tudo isto envolve. Assim, revejo imagens de uma obra-prima do cinema americano à beira de comemorar 50 anos de existência: Faces, de John Cassavetes (disponível no mercado de DVD com o título Rostos). E sinto-me especialmente tocado pela cumplicidade muito física de Cassavetes com os seus atores: desde logo a sua mulher, Gena Rowlands, e ainda John Marley, Lynn Carlin, Seymour Cassel, etc.

A visão de Cassavetes não é estranha a uma certa sensibilidade televisiva dos anos 1960/70, em particular através da utilização obsessiva do grande plano, indissociável da agilidade de câmaras mais pequenas e leves que, na época, transfiguraram todas as formas de filmagem. Ao mesmo tempo, revendo Faces e comparando-o com algumas linguagens atuais de abordagem da intimidade em televisão, deparamos com uma fundamental diferença de atitude: para Cassavetes, o realismo é a arte de não abdicar da irredutibilidade do ser humano; no espaço telenovelesco ou jornalístico dos nossos dias, o realismo foi reduzido a um exercício de esvaziamento dos valores humanistas, promovendo a obscenidade voyeurista a regra compulsiva.

Que tudo isso está a matar, por dentro, o próprio prazer de fazer jornalismo, eis o que todos sabemos. O que, aparentemente, não queremos saber é que, por causa disso, o leitor/espectador sensível a estas questões está a distanciar-se da própria oferta jornalística. Utopicamente, poderíamos celebrar o génio de Cassavetes mostrando Faces em horário nobre. Como isso se tornou impossível, talvez valha a pena não abdicarmos da ideia de que é possível ser realista sem desistir de um valor que aprendemos nas nossas origens católicas: a compaixão.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.