Serviço militar obrigatório

oltámos a ser recentemente confrontados com mais uma declaração do ministro da Defesa sobre possibilidade de se restabelecer o serviço militar obrigatório. E digo voltámos, porque desde que este governo iniciou funções já por diversas vezes que o titular da pasta vem tentar trazer este tema para a agenda. O mesmo ministro que não sabe justificar o desaparecimento de material militar, para quem Tancos é ainda um mistério, considera que a falta de efetivos nas Forças Armadas se resolve com o regresso do serviço militar obrigatório. Para mim, o mistério reside na situação de Azeredo Lopes ainda ser ministro. Mas adiante.

Começa logo por ser estranha a oportunidade desta "proposta". Ela surge numa altura em que mais notícias davam conta da gravidade de haver material militar em parte incerta. Deu algum jeito dispersar as atenções do escândalo de Tancos com um tema que nem se encontra sequer no programa do governo. Entretanto o próprio ministro que veio trazê-lo foi o mesmo que o levou embora: era apenas uma "ideia interessante".

Importa recordar que o fim do serviço militar obrigatório faz parte do legado que a JSD tem deixado ao país. Várias lideranças desta juventude lutaram durante anos para que finalmente, num governo liderado pelo PSD em 2004, fosse posto fim ao serviço militar obrigatório. A JSD contribuiu decisivamente para que se acabasse com um tormento que penalizava jovens que assim tinham de adiar o início dos seus projetos de vida.

Compreendendo a necessidade de se dar resposta à falta de efetivos nas Forças Armadas, a prioridade de qualquer governo passa (ou deveria passar) por tornar mais atrativa a carreira militar, criando incentivos e benefícios, valorizando aqueles que por sua livre vontade queiram de facto ingressar nas Forças Armadas.

Há outro argumento a que não sou indiferente. A ideia de que falta alguma noção de pertença a uma mesma comunidade, a noção de serviço público, a convicção de que temos de dar o nosso contributo à sociedade. Concordo com o diagnóstico, mas discordo da solução. Rejeito que isto apenas se consiga por via do restabelecimento do serviço militar obrigatório. Considero que deveríamos começar por fazer da escola muito mais do que um mero agrupamento de salas de aula, onde os exames e o "programa" são as únicas preocupações, salvo raras exceções. Em segundo lugar, parece-me fundamental levar para a escola matérias relacionadas com cidadania e política - seria uma boa forma de tornar os nossos jovens cidadãos mais ativos, mais exigentes e mais comprometidos com o seu país. É chocante que um jovem termine o seu ciclo de estudos sem fazer a mínima ideia de quem são os seus representantes, como é que estes são eleitos, como é que podem e devem ser fiscalizados, a título de exemplo. E em terceiro lugar, se a ideia é reforçar o interesse dos jovens para considerarem ingressar nas Forças Armadas, seria fundamental começar não apenas por valorizá-la mas por dar-lhe maior importância e visibilidade.

Haverá, decerto, muitas outras formas de atrair mais jovens para as Forças Armadas. E estou inteiramente disponível para essa discussão. Façamo-la. Mas não tentem por favor acordar fantasmas do passado que durante anos a fio atormentaram jovens que tiveram de adiar o início dos seus projetos de vida.

Presidente da JSD

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.