Premium Maioria dos deportados chegam dos Estados Unidos

É o país que mais cidadãos deportou para o arquipélago desde 1987, revela o diretor regional das Comunidades. Sociólogo da Novo Dia defende que modelo de apoio deve ser menos assistencialista.

Desde 1987, ano em que os Açores foram confrontados com o primeiro caso, a região já recebeu 1364 cidadãos portugueses deportados, dos quais cerca de mil chegaram dos EUA, admite o diretor regional das Comunidades no governo dos Açores. Paulo Teves explica ainda que, além de duas deportações das Bermudas, as restantes foram decretadas pelo Canadá.

E o que explica que o número de deportações dos EUA seja muito superior ao total de deportações do Canadá? "Primeiro, tem que ver com a dimensão da comunidade - é uma comunidade maior. Depois, o Canadá tem uma política de deportação que não é tão restritiva: não acontece logo à primeira, é analisado o caso, tentam perceber, por exemplo, se a pessoa, ao ser deportada, tem condições de manter determinados tratamentos de saúde", esclarece o diretor regional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.