Máscaras e distância. Regras rígidas na reabertura dos museus

Este ano não houve Noite dos Museus mas há várias atividades online e não só. Museus e monumentos começam a reabrir esta segunda-feira com regras rígidas quanto ao número de visitantes e ao uso de máscaras.

"Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão" - é o tema deste ano do Dia Internacional dos Museus que se assinala na segunda-feira, 18 de maio. Este foi também o dia escolhido pelo Governo para a reabertura dos museus e monumentos após o encerramento forçado durante mais de dois meses devido à pandemia de covid-19.

Neste contexto, escreve a Direção-Geral do Património Cultural na sua nota sobre o Dia Internacional dos Museus, "abrir as portas dos museus não é um mero momento formal, é um ato simbólico que convida à visita e a um confiante regresso à normalidade, e à fruição cultural. Constitui uma metáfora para a resiliência e a versatilidade, que tanto os Museus, Palácios e Monumentos, como os seus visitantes têm demonstrado ao longo dos tempos".

Nem todos os museus e monumentos reabrem já e alguns vão ter horários reduzidos. Também haverá locais com acessos restritos e muitas das atividades paralelas foram canceladas. Por isso, tenha atenção:

Antes de ir:
Confirme se o espaço está aberto e se mantém todas as suas funcionalidades, qual o horário de funcionamento e se é necessário marcar a sua visita.

No local:
- pagamento preferencial (nalguns casos obrigatório) com cartão
- apenas funcionam os bengaleiros autónomos (por exemplo, cacifos com moedas)
- uso obrigatório de máscara
- lotação máxima de 5 pessoas por 100m2
- distanciamento de 2 metros entre pessoas
- limitações no recurso a audioguias e folhetos de uso indiferenciado (em alguns casos haverá audioguias disponíveis através dos telemóveis)
- limitação de equipamentos que convidem à interação
- lojas, cafetarias e restaurantes podem não estar a funcionar ou a funcionar com limitações

Verifique AQUI as recomendações do ICOM, International Council of Museus - Portugal.

Este ano não houve Noite dos Museus, no entanto, apesar de todas as limitações, muitos museus e monumentos vão assinalar este 18 de maio seja com a reabertura e entrada gratuita, como habitualmente, seja com programações online.

Aqui ficam algumas sugestões:

Museu Berardo

O Museu Berardo, localizado no CCB, em Lisboa, reabre o seu espaço físico na segunda-feira, com entrada gratuita no Dia Internacional dos Museus, com um máximo de 190 pessoas em simultâneo. O público vai finalmente poder visitar a exposição do Julian Opie, que foi inaugurada online, com uma visita feita pelo artista e transmitida através do site e redes sociais do museu, no dia 18 de março, já no período de confinamento.

Estão ainda patentes as exposições Mutações. The Last Poet, de Joana Escoval, e Deeper Shades. Lisboa e Outras Cidades, de Andreas H. Bitesnich.

Nesta nova fase, o Museu Berardo vaio continuar a apostar na atividade digital: "Há muito tempo que vimos a utilizar as plataformas online como meio de comunicação do museu, mas esta crise veio sem dúvida acelerar este processo. De repente, fomos obrigados a aperfeiçoar o nosso site e a utilizarmos técnicas mais avançadas para podermos continuar a trabalhar em casa, envolvendo o maior número possível dos nossos colaboradores, para podermos disponibilizar online os nossos conteúdos, antigos e novos, todos de grande qualidade e, assim irmos alimentando a imaginação de quem nos segue", explica a diretora Rita Lougares.

Assim, as visitas orientadas a exposições e obras, conduzidas por artistas, curadores ou mediadores culturais, passarão também a ser disponibilizadas online, inclusivé em direto. De um modo geral, toda a atividade do Serviço Educativo do Museu irá ser transposta e adaptada para o online, de uma forma transversal, para todos os públicos. "As soluções de visita virtual e realidade aumentada em que estamos a trabalhar e pretendemos implementar irão ser muito úteis para permitir uma visita digital mais imersiva a obras e exposições, nomeadamente as permanentes", explica a diretora. Esta é uma área que o museu pretende desenvolver nos próximos tempos.

Centro Cultural de Belém

Apesar de manter o programa #CCBCidadeDigital, a partir desta segunda-feira, o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, reabre parte dos seus serviços. A Garagem Sul do CCB reabre com a exposição O Mar É a Nossa Terra, com entrada livre no Dia Internacional dos Museus. Depois desse dia, mantém como horário de funcionamento, de terça-feira a domingo, das 10.00 às 17.00. "Aproveitámos para melhorar a sua experiência ao visitar a Garagem Sul. Agora, todos os visitantes podem percorrer a exposição acompanhados de um guia explicativo em áudio, acessível através do seu telemóvel (recomendamos que traga os seus headphones)", avisa o CCB.

Reabrem os espaços ao ar livre e algumas das salas do CCB, algumas das lojas e os restaurantes EsteOeste junto ao Jardim das Oliveiras, e o Restaurante TOPO no piso 3 do Centro de Congressos e Reuniões.

Fundação Calouste Gulbenkian

Na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o Edifício da Coleção do Fundador reabre esta segunda-feira, cumprindo as regras de distanciamento impostas pela pandemia, haverá limitações no número de visitantes da Coleção do Fundador e da exposição temporária A Idade de Ouro do Mobiliário Francês. A Coleção Moderna permanecerá de portas fechadas, antecipando o encerramento previsto para as obras de remodelação que vão ligar o edifício da Coleção Moderna ao novo Jardim Gulbenkian.

Além disso, há um programa online para comemorar o Dia Internacional dos Museus, que arrancou no fim de semana mas tem o seu prato forte esta segunda-feira. Às 11.00, Penelope Curtis, diretora do Museu Gulbenkian, dará as boas-vindas a todos os visitantes numa visita online em direto pelas galerias do Museu.

O programa prossegue ao longo do dia, com várias iniciativas no Instagram e no Facebook do museu. Destaque para uma conversa, às 15.00, moderada por Maria Vlachou (Acesso Cultura) com Penelope Curtis, Manuel Fontán del Junco (diretor da Fundación Juan March, Espanha) e Katarina Pierre (diretora do Bildmuseet da Umeå University, Suécia) para responder à questão: E agora que as portas reabrem? Às 18.00, os artistas Ângela Ferreira, Hugo Canoilas e Mariana Silva e a curadora Rita Fabiana refletem, noutro painel, sobre o tema Tempos certos e tempos incertos: que museu para um tempo de incerteza?

Veja AQUI o programa completo.

Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, reabre com entrada livre esta segunda-feira. Às 11.00 recebe a visita da ministra da Cultura, Graça Fonseca, para a apresentação do espaço onde irão ser restaurados os Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves, uma das obras mais emblemáticas do museu. Foi criada uma oficina de restauro "presencial", que pode ser visitada pelo público através de uma janela no 3.º piso.

O restauro "não estava prevista para agora" mas foi apressado, explica o diretor do museu, Joaquim Caetano. "Tivemos o museu fechado, não fazia sentido não aproveitarmos isto para fazer esta construção - tivemos de tirar as obras daqui, fazer pinturas, polimentos etc. - se o fizéssemos com o museu aberto teríamos de pôr aqui uns plásticos, haveria muito barulho, iria perturbar os visitantes". Assim, a sala dos painéis foi remodelada para se transformar num atelier de restauro. Abriu-se a janela das traseiras para deixar entrar a luz natural e a parede passou de vermelho a cinzento.

O último grande restauro dos Painéis, em 1909, foi feito por uma só pessoa, Luciano Freire, e demorou menos de um ano. A 1 de junho começará este novo restauro. Será "uma intervenção bastante profunda - um projeto para três anos que envolve quatro restauradores em permanência", explica Joaquim Caetano, além do acompanhamento de um grupo de peritos internacionais. Uma operação que só é possível graças ao apoio de 225 mil euros do Milenium BCP.

O museu reabre cumprindo as regras de segurança exigidas e apelando "à responsabilidade individual de cada um". Com um número reduzido de vigilantes (queixa, aliás, repetida ao longo de anos), não é possível ter um vigilante em cada sala para controlar o número de pessoas em cada divisão, mas todos os visitantes receberão à entrada um folheto informativo com as regras sanitárias, concebido pelo artista André Ruivo.

Além da exposição permanente, o museu apresenta a última aquisição para o acervo do MNAA: um desenho de Domingos Sequeira, considerado pelos especialistas um dos grandes artistas portugueses do século XIX, intitulado "Um Estudo para Camões", adquirido em dezembro do ano passado, em Paris.

Também é inaugurada a exposição "A Linha que fecha também abre", comissariada por João Pinharanda, que junta obras do artista contemporâneo Julião Sarmento e oito desenhos italianos do Renascimento, e a sua extensão ibérica, selecionados do acervo do MNAA. A exposição ficará na Sala do Teto Pintado até 26 de julho.

Finalmente, o pianista Pedro Emanuel Pereira vai dar um concerto à porta fechada, por isso sem assistência de público, mas que poderá ser acompanhado em direto, a partir das 19.00, na Antena 2.

MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

O MAAT , em Lisboa, continua de portas fechadas por mais algum tempo mas preparou uma programação online especial para esta data - "Nyege Nyege: Uma Nova Esperança" é o título do projeto e é o primeiro capítulo do novo programa de música e som do museu, intitulado "Terra Irada" com curadoria de Pedro Gomes, que irá decorrer ao longo dos próximos meses.

Para acompanhar na página do YouTube criada especificamente para o efeito. Às 17.00 acontece uma conversa de apresentação moderada por Shannen SP com o curador Pedro Gomes e os cofundadores da Nyege Nyege, Arlen Dilsizian e Derek Debru. As performances acontecem entre as 18.00 e as 22.00.

Museu Nacional de Arte Contemporânea

O MNAC - Museu do Chiado, em Lisboa, também reabre esta segunda-feira e, neste dia, com entrada gratuita. Para além das Exposições já patentes e que se mantêm -"Biografia do Traço. Colecção de Desenho (1836-1920)", com curadoria de Maria de Aires Silveira; e "Pedro Gomes. Encontro às Cegas", com curadoria de Emília Ferreira e de Hugo Dinis -, o MNAC inagura, no átrio, a exposição "Nos Palcos da Paixão", com curadoria de Maria de Aires Silveira (e em parceria com o Museu Nacional do Teatro e da Dança), em torno da obra Otelo e Desdémona, do artista espanhol Muñoz Derain (1840-1924), obra que integrou a coleção do MNAC logo à sua fundação, em 1911, e que apenas foi exposta pelo seu primeiro diretor, Carlos Reis, em 1913, numa exposição coletiva.

Museu de Serralves

O Museu de Serralves, no Porto, reabre esta segunda-feira com uma exposição de Lourdes Castro, uma das maiores referencias da arte contemporânea portuguesa. A restante programação expositiva mantém-se. As exposições Electric, na galeria contemporânea do museu, a de Athur Jafa, que se divide entre o museu e a Casa do Cinema, O V/NOSSO FUTURO É AGORA de Olafur Eliasson no Parque, a exposição permanente do espólio de Manoel Oliveira, na Casa do Cinema, e a Floresta, na quinta de Serralves estarão também à disposição do público.

O Museu de Serralves garante que nenhuma exposição futura foi cancelada, há apenas alguns reagendamentos que serão anunciados. Além disso, o museu irá continuar com a sua atividade online, explica o porta-voz do espaço: "Este período levou-nos a acelerar e a intensificar a nossa atenção para um vetor, o online, que vínhamos já a trabalhar há muito tempo (Serralves é a instituição cultural portuguesa com mais seguidores no Instagram, mais de 100 mil). Esta área foi fundamental para mantermos os nossos laços com a comunidade e com os nossos stakeholders durante este ciclo "diferente" que todos vivemos. Aberta uma nova fase, vamos readaptar a nossa programação aos novos tempos, mantendo alguma da programação que desenvolvemos e criando novos conteúdos, de forma a garantir que a forma do público experenciar Serralves saia valorizada".

Parques de Sintra

Na segunda-feira, a Parques de Sintra reabrirá ao público os parques e monumentos sob sua gestão, entre os quais o Palácio Nacional de Sintra, o Castelo dos Mouros, o Palácio Nacional da Pena, e Palácio Nacional de Queluz, Parque. A exceção são as instalações da Escola Portuguesa de Arte Equestre na Calçada da Ajuda, em Belém, que só poderão reabrir a partir de 1 de junho, dada a sua condição de local de espetáculos.

Em todos os espaços só é admitido pagamento com cartão. Algumas cafetarias, lojas e parques poderão estar ainda encerrados.

Mosteiro dos Jerónimos

O Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, tem características arquitetónicas muito facilitadoras do funcionamento normal, cumprido que seja o Plano Sanitário de Prevenção de Riscos, garante a sua diretora, Dalila Rodrigues. "A grande escala e a espacialidade ampla, tanto da Igreja como do Claustro, a abertura ao ar livre das alas do claustro, os vãos grandes, permitem visitar o Monumento com segurança, cumpridas que sejam as exigências de uso obrigatório de máscaras e a distância de 2 metros", explica Dalila Rodrigues.

"O percurso das visitas, tanto da Igreja como do Claustro, terá um sentido obrigatório por forma a impedir cruzamentos e pontos de estrangulamento." Para tal, foi apenas necessário produzir uma nova sinalética e barreiras de acrílico para atendimento (verificação de bilhetes) e recolocar barreiras portáteis. "Recomendamos aos visitantes que não toquem no monumento, o que é também uma prática elementar de preservação patrimonial, e que não se sentem nos bancos do claustro."

Torre de Belém

Já a Torre de Belém terá apenas uma reabertura parcial. "A torre alta, com uma escadaria muito estreita que une os quatro pisos e que não permite o afastamento dos visitantes das estruturais parietais, em que tocam permanentemente, terá de ficar encerrada ao público", explica a diretora, Dalila Rodrigues. O baluarte (parte baixa) e o terraço que se lhe sobrepõe serão visitáveis.

Assim, o bilhete terá uma redução de custo de 50%. "O número de visitantes a admitir será bastante diminuto, provavelmente 10 pessoas em simultâneo."

Veja AQUI mais programação - presencial e virtual - para este dia em museus e monumentos em todo o país, reunida no site da Direção-Geral do Património Cultural.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG