São feitos quase 600 créditos por dia para comprar carro

O crédito automóvel acelerou neste ano. No passado mês de maio foram batidos recordes. Em cinco anos, o valor concedido mais do que triplicou

Vendem-se cada vez mais carros em Portugal. E o crédito tem sido um combustível. Os empréstimos para compra de automóveis não param de acelerar. Só em maio foram concedidos quase 290 milhões de euros e foram feitos mais de 20 mil contratos, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Desde o início do ano até final de maio, o número de novos financiamentos concedidos para comprar carro aumentou para mais de 89 mil. É um ritmo de quase 600 por dia. Foram emprestados mais de 1,26 mil milhões de euros nesse período, mais do triplo do registado há cinco anos. Face a 2017, a subida é de quase 200 milhões de euros.

A subida do crédito ajudou às vendas de automóveis. Nos primeiros cinco meses do ano foram vendidos mais de 108 mil veículos ligeiros, segundo a ACAP - Associação Automóvel de Portugal. Está a ser o melhor ano em mais de uma década. A grande maioria das compras de carros está a ser feita a crédito. Em média, neste ano estão a ser emprestados mais de 14 mil euros em cada contrato de crédito automóvel.

A tendência de crescimento do crédito já era visível nos últimos meses. Mas em maio as instituições financeiras meteram o turbo. O valor concedido e o número de empréstimos feitos bateram recordes. Nesse mês, o segmento automóvel contribuiu para que o total de empréstimos aos consumidores também batesse recordes.

As entidades financeiras emprestaram quase 670 milhões de euros entre crédito pessoal, empréstimos para comprar carros, cartões de crédito, linhas de crédito e descobertos bancários. É o valor mais alto desde pelo menos o início de 2013 e representa um crescimento de mais de 90 milhões face ao mesmo período do ano passado.

O Banco de Portugal, liderado por Carlos Costa, explicava, no último Relatório de Estabilidade Financeira, a subida do crédito ao consumo com o "contexto de melhoria das condições no mercado de trabalho, de aumento da confiança dos consumidores para níveis historicamente elevados e de crescimento continuado do consumo privado". E notava que a proporção do consumo que está a ser feita a crédito tem aumentado.

Os máximos nos empréstimos a consumidores surgiram pouco tempo antes de entrarem em vigor as recomendações do Banco de Portugal para a concessão de crédito. Essas regras começaram a ter efeito nesse mês e preveem, entre outros critérios, que a despesa com prestações de empréstimos, ao consumo e à habitação, não ultrapasse metade do rendimento das famílias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.