São feitos quase 600 créditos por dia para comprar carro

O crédito automóvel acelerou neste ano. No passado mês de maio foram batidos recordes. Em cinco anos, o valor concedido mais do que triplicou

Vendem-se cada vez mais carros em Portugal. E o crédito tem sido um combustível. Os empréstimos para compra de automóveis não param de acelerar. Só em maio foram concedidos quase 290 milhões de euros e foram feitos mais de 20 mil contratos, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Desde o início do ano até final de maio, o número de novos financiamentos concedidos para comprar carro aumentou para mais de 89 mil. É um ritmo de quase 600 por dia. Foram emprestados mais de 1,26 mil milhões de euros nesse período, mais do triplo do registado há cinco anos. Face a 2017, a subida é de quase 200 milhões de euros.

A subida do crédito ajudou às vendas de automóveis. Nos primeiros cinco meses do ano foram vendidos mais de 108 mil veículos ligeiros, segundo a ACAP - Associação Automóvel de Portugal. Está a ser o melhor ano em mais de uma década. A grande maioria das compras de carros está a ser feita a crédito. Em média, neste ano estão a ser emprestados mais de 14 mil euros em cada contrato de crédito automóvel.

A tendência de crescimento do crédito já era visível nos últimos meses. Mas em maio as instituições financeiras meteram o turbo. O valor concedido e o número de empréstimos feitos bateram recordes. Nesse mês, o segmento automóvel contribuiu para que o total de empréstimos aos consumidores também batesse recordes.

As entidades financeiras emprestaram quase 670 milhões de euros entre crédito pessoal, empréstimos para comprar carros, cartões de crédito, linhas de crédito e descobertos bancários. É o valor mais alto desde pelo menos o início de 2013 e representa um crescimento de mais de 90 milhões face ao mesmo período do ano passado.

O Banco de Portugal, liderado por Carlos Costa, explicava, no último Relatório de Estabilidade Financeira, a subida do crédito ao consumo com o "contexto de melhoria das condições no mercado de trabalho, de aumento da confiança dos consumidores para níveis historicamente elevados e de crescimento continuado do consumo privado". E notava que a proporção do consumo que está a ser feita a crédito tem aumentado.

Os máximos nos empréstimos a consumidores surgiram pouco tempo antes de entrarem em vigor as recomendações do Banco de Portugal para a concessão de crédito. Essas regras começaram a ter efeito nesse mês e preveem, entre outros critérios, que a despesa com prestações de empréstimos, ao consumo e à habitação, não ultrapasse metade do rendimento das famílias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.