Premium Há 50 anos, aquele estudante levantou-se e pediu a palavra. "Um momento libertador"

Alberto Martins era o presidente da Associação Académica de Coimbra e, num tempo em que falar podia ser crime, o jovem estudante, de capa e batina, levantou-se e interpelou diretamente o então Presidente da República Américo Tomás.

Estávamos em 17 de abril de 1969 e nesse dia iniciava-se, com aquele gesto, uma crise académica, que se prolongaria por meses e levaria à queda do ministro da Educação José Hermano Saraiva.

Ao DN, 50 anos depois, o jovem que se levantou, hoje com 73 anos - festeja os 74 no dia 25 de abril -, recorda esse dia e os seguintes, sem nunca tropeçar na memória. Não é só pelo marcante que foram esses tempos, reconhece. Alberto Martins está neste momento a preparar um livro e andou a estudar, a rever e a consultar dados. Mas o antigo deputado e ministro socialista ainda se emociona a recordar o dia 17 de abril de 1969.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.