Premium O "sultão" Erdogan e o "terrorista" Assad. Dois inimigos sob a influência de Putin

Presidente turco e líder sírio foram amigos e romperam relações com o início da guerra na Síria. Oito anos depois, Vladimir Putin pode reaproximá-los.

Em agosto de 2008, o casal Erdogan foi receber o casal Assad à porta do avião no aeroporto de Bodrum. As notícias e as fotografias da época mostravam cumplicidade e proximidade, as quais seriam cimentadas nas férias que iriam passar juntos nessa estância balnear. Uma dúzia de anos antes e uma dúzia de anos depois este cenário parece impossível. Em meados dos anos 1990 as relações entre a Síria e a Turquia eram tensas tal como são agora.

Houve um período em que a amizade entre os dois países vizinhos parecia possível. Em 1998, o presidente egípcio Hosni Mubarak mediou um acordo entre o pai de Bashar al-Assad, Hafez, e o homólogo turco Suleyman Demirel. O Acordo de Adana previa o desmantelamento de bases do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, que lutava pela autodeterminação dos curdos da Turquia) e a expulsão do seu líder, Abdullah Ocalan, da Síria, bem como autorizava o exército turco a entrar até cinco quilómetros em território sírio em perseguição de combatentes curdos. Em troca a Turquia retirava as tropas da fronteira e afastava o cenário de uma guerra aberta com Damasco, que naquela altura não podia contar com Moscovo, seu aliado desde os anos 1970.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.