Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Mas não. Mesmo sem maioria absoluta, multiplicam-se os casos de ataque ao interesse público e de enxovalho do direito e da ética pública republicana. As fontes de denúncia não têm vindo do Parlamento, cuja incapacidade de vigiar os atos do governo é o maior aliado da abstenção, mas da comunicação social e de jornalistas corajosos. Sandra Felgueiras, mostrando que a RTP pode prestar verdadeiro serviço público, encostou o governo às cordas em dois negócios obscuros. Um de evidente ilegalidade - a atribuição a uma empresa da esfera da Mota-Engil de uma operação na área dos resíduos, avaliada em 70 milhões de euros, sem concurso público. Orlando Borges, o rosto da entidade reguladora do setor (ERSAR), criticou as pressões do governo, e um parecer da Procuradoria-Geral da República bloqueou o negócio, como Pedro Santos Guerreiro explicou no seu mais recente artigo no Expresso. O segundo negócio de legalidade improvável envolve uma concessão de exploração de lítio em Trás-os-Montes a uma empresa de credibilidade duvidosa. As esfarrapadas justificações de João Galamba aumentam as suspeitas, em vez de as dissiparem.

Nestes dias tenho-me lembrado da carta que Thomas Jefferson, então embaixador dos EUA na Paris de 1787, enviou ao seu correligionário Edward Carrington. Defendendo o papel fundamental da imprensa livre na informação dos cidadãos, e na denúncia dos abusos governamentais, escreveu: "Se tivesse de decidir entre um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não hesitaria em escolher a segunda opção." Jefferson alerta também para o facto de o exercício do poder, sem oposição e vigilância crítica, acabar por transformar os governantes em lobos e os governados em cordeiros. Essa realidade era omnipresente na Europa de 1787, mas ele temia que, sem vigilância suficiente, os EUA tivessem o mesmo destino.

Na verdade, muitos dos projetos-bandeira deste governo são atos de predação, lesando o suporte ecológico do futuro do país. As áreas protegidas são leiloadas pela melhor oferta, como se viu com o aumento da agricultura intensiva no Sudoeste Alentejano. As dragagens no estuário do Sado serão uma irracionalidade económica e ecológica (ver a excelente peça de Graça Henriques, DN, 9/11/2019). O novo aeroporto do Montijo, ignorando a RNET e o impacto das alterações climáticas, constitui outra ofensa ao interesse público. A tendência para o abuso é inerente à fragilidade moral da condição humana. Por isso, todo o cuidado é pouco perante governos com lobos, isto é, "humanos, demasiado humanos".

Professor universitário

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...