Premium MP quer o hacker Rui Pinto em prisão preventiva

Football Leaks. Rui Pinto chega a Portugal na próxima semana e a PJ tem um enorme desafio: abrir os milhões de ficheiros encriptados com informação que pode abalar ainda mais o mundo do futebol nacional e internacional.

"Vamos agir com muita serenidade. Tudo o que está em causa exige uma intervenção muito séria", sublinha uma fonte judicial envolvida no processo de Rui Pinto, o mais famoso hacker português. O assumido denunciante do Football Leaks deverá chegar a Portugal na próxima semana - entre quarta e sexta-feira - escoltado por uma brigada especial da Polícia Judiciária (PJ), depois de a sua extradição ter sido confirmada nesta quinta-feira pelas autoridades húngaras.

No prazo de 48 horas, a contar a partir do momento em que está sob a detenção da polícia portuguesa, será ouvido pelo juiz de instrução criminal em Lisboa, na presença dos procuradores titulares da investigação, que determinará as medidas de coação a aplicar. Nessa altura, o Ministério Público (MP) deverá pedir a prisão preventiva de Rui Pinto, pois entende que estão preenchidas as três condições para o tribunal concordar com a medida de coação mais gravosa: "Perturbação do inquérito, que é o que o arguido mais tem feito desde que foi detido em Budapeste, pondo em causa a justiça portuguesa; perigo de fuga, pois esteve escondido na Hungria; e continuação da atividade criminosa", sustenta fonte policial que acompanha o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

CPLP

Do ciclone às dívidas ocultas: as quatro tragédias de Moçambique

Ciclone Idai, escândalo das dívidas ocultas, conflito com grupos armados no norte e reconciliação lenta e pouco suave entre a Frelimo (no poder) e a Renamo (maior partido da oposição) marcam a realidade de Moçambique, país da CPLP com 29,7 milhões de habitantes que tem eleições gerais marcadas para 15 de outubro.