Exclusivo "Em muitas das cartas que recebi as mulheres dizem que o homem da sua vida não é o seu marido"

A mãe do escritor dizia para se deixar de mentiras. Décadas depois de ter perdido o amante, de ter escrito vários romances em que a memória do primeiro amor era escondida, escreve um livro em que conta a verdadeira história homossexual da adolescência.

O escritor francês Philippe Besson já publicou 19 romances, mas a sua vida mudou com o 18.º: Deixa-te de Mentiras. Uma história autobiográfica que aumentou de forma excecional o número dos seus leitores ao criar uma empatia com a revelação que fez de um antigo amor de juventude. O tema não foge ao de vários dos anteriores livros, em que o cenário é em muito o da homossexualidade, só que desta vez não precisou de inventar, apenas recordar.

Deixa-te de Mentiras surge do encontro impossível entre o autor e a sua primeira grande paixão, Thomas Andrieu, enquanto era estudante numa localidade do interior francês. Três décadas depois, enquanto dá uma entrevista, vê um homem em tudo igual ao seu antigo amante e descobre que é o filho dele. Alguns anos depois, o filho informa-o que Thomas morreu. Menos de 30 minutos depois, Philippe Besson começa a escrever este romance que tem sido traduzido em muitos países com sucesso: "Estranhei imenso que em países como a Rússia e a Polónia, onde a reação à homossexualidade é complicada, o romance tivesse sido traduzido. Em França ultrapassou o número de 200 mil exemplares e a receção na Inglaterra e na Itália foi também surpreendente para um livro que é eminentemente francófono."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG