Europeias. PS só aceita debates a cinco. Dois já estão marcados na SIC e na RTP

PS entrega nesta segunda-feira a lista de candidatos às europeias no Tribunal Constitucional e rejeita os frente-a-frente entre o seu cabeça-de-lista, Pedro Marques, e o do PSD, Paulo Rangel. Debates a cinco estão já agendados para a RTP e para a SIC.

A direção nacional do PS diz não querer "dar importância" ao principal adversário do seu cabeça-de-lista do partido às eleições europeias, e por isso rejeita os convites dos media para os frente-a-frente entre Pedro Marques e Paulo Rangel. Para os socialistas só valem os debates entre os cinco candidatos dos partidos que já elegeram para o Parlamento Europeu. E dois estão já marcados para a SIC e para a RTP. O primeiro a 1 de maio e o segundo a 20 do mesmo mês, no Mosteiro dos Jerónimos. A candidatura de Paulo Rangel acusa o socialista de temer o confronto com o eurodeputado social-democrata.

O primeiro convite às candidaturas surgiu da SIC, que queria um frente-a-frente entre Pedro Marques e Paulo Rangel, mas foi rejeitado pelo PS. O cabeça-de-lista do PSD acusou o do PS de não querer debater, mas fonte da candidatura do socialista garante que não há medo do confronto. "A direção nacional do PS entendeu que não deveria dar-se um estatuto privilegiado a Paulo Rangel, diferente dos outros."

A mesma fonte acrescenta que "Pedro Marques, que já vai ser o alvo de todos os candidatos, se tivesse aceitado o convite para debater com Rangel, iria ser ainda mais criticado por Nuno Melo [CDS], João Ferreira [CDU] e Marisa Matias [BE]". A candidatura de Pedro Marques insiste que está disponível para aceitar todos os debates que forem propostos sobre as eleições de 26 de maio desde que os cinco candidatos participem.

O PS aguardou até ao último dia legal para entregar a sua lista de candidatos ao Parlamento Europeu, o que fará pelas 10.00 no Tribunal Constitucional. Da lista, após Pedro Marques, entram nos primeiros lugares a ex-ministra Maria Manuel Leitão Marques, o eurodeputado Pedro Silva Pereira e a ex-secretária de Estado dos Assuntos Europeus Margarida Marques. Entre os quinto e oitavo lugares, posições que são consideradas elegíveis, entram André Bradford (Açores), Sara Cerdas (Madeira), o eurodeputado Carlos Zorrinho e a deputada Isabel Santos.

À tarde, pelas 18.00, será apresentada a mandatária nacional das europeias. António Costa quis escolher uma jovem de 18 anos, Filipa Maia Fernandes, para simbolicamente dar destaque à geração que nasceu no virar do milénio. O secretário-geral do PS e primeiro-ministro insistiu na ideia de que estas "são as eleições onde, pela primeira vez, vão votar os cidadãos que nasceram no século XXI".

Segundo a revista Visão, Filipa Maia Fernandes é a personificação dessa imagem e o nome da jovem estudante surge precisamente nesse contexto. Aos 17 anos, já tinha sido escolhida entre um grupo de 30 jovens europeus para liderar a Students Agency, um organismo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que pretende dar voz às gerações mais novas junto dos principais responsáveis políticos. E já em 2017 tinha sido escolhida pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, para representar Portugal na Conferência Internacional Education 2030, em Paris.

Mas não será alheio a esta escolha o facto de o PSD também ter apostado numa jovem, Lídia Pereira, líder da maior organização de juventude da Europa, para número dois da lista encabeçada por Paulo Rangel.

Exclusivos