"Há cerca de dez mil navios afundados em toda a costa portuguesa"

Aos 48 anos, o arqueólogo subaquático Alexandre Monteiro, da Universidade Nova de Lisboa, tem muitas histórias para contar. São histórias de naufrágios de naus e galeões, de descobertas inesperadas, de sustos e de lutas contra os piratas modernos: os caçadores de tesouros.


Descobriu e estudou vários navios naufragados na costa portuguesa e noutros países. Como se fascinou por histórias de naufrágios?
É uma longa história, que começa com um livro. Os livros são um perigo para as mentes pueris. O meu pai tinha um livro do Círculo dos Leitores, Deuses, Túmulos e Sábios, que era uma compilação dos casos mais paradigmáticos da arqueologia, dos trabalhos do [Heinrich] Schliemann [na Grécia] até aos naufrágios do Mediterrâneo. Foi assim que fiquei fascinado pela arqueologia, a descoberta e as civilizações antigas.

Que idade tinha?
Uns 10 anos. Depois, na Escola Secundária de Carcavelos, no 10.º ano, criei um clube de arqueologia. Pusemo-nos a ler os livros do professor Encarnação e do Guilherme Cardoso sobre os sítios arqueológicos do concelho de Cascais. Na altura também estava nos escuteiros e levei semanas a palmilhar o concelho à procura deles. Não dei com nenhum. Mas um dia, junto à escola primária da Parede, fomos a uma zona de corte onde tinha sido referenciada uma estação campaniforme e, devo confessar, andámos a pilhar o local. Levantámos, sem qualquer contexto, pontas de setas de sílex e cerâmica campaniforme, que expusemos na escola. Mas isto já foi depois da minha grande desilusão, porque as provas vocacionais davam tudo para ciências, e eu fui para ciências. Depois dei dois desgostos à minha mãe. O primeiro foi quando decidi não ir para a faculdade depois do 12.º. Aos 17 anos, influenciado pelos livros do Jean Larteguy sobre centuriões e as guerras da Indochina, fui como voluntário para a Força Aérea. Fui para controlador aéreo. E depois dei o segundo desgosto à minha mãe e fui para os Açores. Quem ficava em primeiro no curso tinha direito a escolher a base. Eu fiquei em primeiro e resolvi ir para os Açores.

Porquê essa escolha?
Porque tinha a paixão da caça submarina desde miúdo. Comecei aqui, em São Julião da Barra, onde há muitos naufrágios. Aliás, só muitos anos depois é que percebi que aquelas pedras por onde tinha andado a caçar sargos não eram pedras, mas canhões em ferro [risos]. Na ilha Terceira, como tinha tempo livre, decidi concorrer à universidade, que tinha três cursos: professores primários, educadores de infância e engenharia zootécnica, e eu escolhi o último. Apesar de não ter nada que ver com a minha atividade, acabou por ser muito interessante porque me deu bases de química orgânica, física e matemática. Depois fiquei a dar aulas de Biologia durante 11 anos, na Terceira. Enquanto lá estive, fiz o curso de mergulho e logo no primeiro mergulho a seguir ao curso encontrei três canhões de ferro. Os Açores são um ponto fulcral de naufrágios da época moderna.

Nessa altura já dava para perceber que eram canhões.
Quando um canhão de ferro fica muito tempo debaixo de água, formam-se concreções que o deformam. Naquele caso os canhões estavam reconhecíveis. E, nessa altura, eu já tinha 26, 27 anos. Fui bater à porta do Museu de Angra do Heroísmo, que tem uma grande coleção de artefactos militares e de canhões recuperados de anteriores intervenções que tinham sido feitas por caçadores de tesouros nos anos de 1970 e 1980. Tínhamos um grupo informal de seis ou sete pessoas que fazia mergulho, éramos professores, e tínhamos capacidade de intervir dentro de água. Nessa altura, por coincidência, o então secretário de Estado da Cultura, Santana Lopes, criou um decreto-lei, o famigerado 189/93, que abria a porta à concessão de partes da costa a empresas privadas para levantar naufrágios históricos, cujo valor do espólio reverteria em metade para o Estado. Era uma lei da caça ao tesouro. Isso fez-me um clique. Nessa altura li uma obra sobre trabalhos arqueológicos de um naufrágio histórico no Texas e então percebi a diferença entre caça ao tesouro e arqueologia. Entretanto, aquela lei estava a ser muito contestada, sob a liderança do arqueólogo Francisco Alves, então diretor do Museu Nacional de Arqueologia. Estávamos em 1994, liguei-lhe e falei-lhe dos canhões.

E qual foi a reação dele?
Disse-me para ir ter com ele quando viesse a Lisboa. Vim nesse Natal, e acabei por integrar a associação de defesa do património que colaborava com o museu, e que enviou aos Açores uma série de instrutores para nos formar nas técnicas de arqueologia. Nessa altura comecei também a fazer uma série de investigações em arquivo para tentar descobrir quem eram as pessoas envolvidas na caça ao tesouro e para fazer um levantamento dos navios naufragados nos Açores. Foi aí que comecei o trabalho da carta arqueológica subaquática dos Açores.

O que descobriu sobre as atividades da caça ao tesouro?
O alvo de todas as empresas eram os Açores, porque há ali 200 navios perdidos com tesouros, que é o que interessa a estas companhias: ouro, prata, porcelana chinesa e joias. É o que conseguem vender em leilão. Como a portuguesa Arqueonauta, que mais tarde me processou.

Como é que isso aconteceu?
Em 2011 fiz uma comunicação a um congresso, no Instituto de Investigação Científica Tropical, denunciando a caça ao tesouro em Moçambique, pela empresa. Em 2012, puseram-me um processo em tribunal, por difamação. Eu estava nessa altura a fazer o doutoramento sobre um navio afundado na Austrália, e durante dois anos tive de parar o doutoramento, que acabou por se arrastar. Fui absolvido em primeira instância, eles apelaram, e em 2014 o Tribunal da Relação voltou a dar-me razão. Mas a minha vida esteve suspensa durante dois anos.

A caça ao tesouro é um grande problema para a arqueologia subaquática?
É. Não há nenhum navio português da época dos Descobrimentos, ou de outra, que tenha sido escavado cientificamente, a não ser os restos do Nossa Senhora dos Mártires [nau da carreira da Índia, do século XVII], aqui no Tejo, o Santo António de Tana [fragata portuguesa do século XVII], no Quénia, e eventualmente o Bom Jesus [do século XVI], na Namíbia. São três. Em contrapartida, houve dezenas de navios portugueses totalmente pilhados por caçadores de tesouros.

O navio de Esposende, do início do século XVI, é o nosso Mary Rose, aquele navio inglês da época dos Tudor, de 1547 que está em Portsmouth. Levantaram-no todo do fundo e está agora no museu

Quando se decidiu pela arqueologia subaquática estava à espera de enfrentar situações como essa?
Fui para arqueologia subaquática por causa da caça ao tesouro. Uma pulga não para um comboio mas pode fazer muita comichão ao maquinista. Foi o que nós fizemos, e foi uma grande escola. Em 1997, no governo de Guterres, a Lei 189/93 foi revogada e nesse mesmo ano foi criada uma lei para a arqueologia subaquática, a 164/97. Na sequência disso, Portugal foi um dos primeiros países a aderirem à Convenção da UNESCO para Proteção do Património Cultural Subaquático. Nessa mesma altura foi criado o Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática, liderado por Francisco Alves, e criada uma extensão nos Açores, e eu fui contratado como arqueólogo subaquático. Depois as coisas começaram a afundar-se. Quando o governo regional quis construir a marina de Angra, fizemos finca-pé para se fazer uma prospeção antes da obra, e durante campanha, que durou de seis meses, encontrámos três navios, dois deles extremamente importantes. Um deles, o Angra D, como lhe chamámos, de meados do século XVII, de construção nórdica e, para mim, o maior naufrágio encontrado em Portugal, e um dos maiores do mundo. Era um galeão espanhol completamente preservado. De acordo com a carta arqueológica, tínhamos sete a oito candidatos àquele navio, que deu à costa numa grande tempestade e se afundou a sete metros de profundidade, e a 200 metros do cais de Angra. Quando quiseram fazer a marina, nós propusemo-nos desviar o navio peça a peça. Fizemos um projeto, mas passou um ano de silêncio por parte do governo regional. Um dia vejo as máquinas a avançar pela baía de Angra, mas conseguimos que a obra fosse embargada. Tiveram de contratar uma equipa e eu coordenei parte dos trabalhos. Em três meses desmontámos dois navios históricos.

Onde estão agora?
Desapareceram. Como estava contratado, desmontámos os navios e voltámos a enterrá-los a 15 metros de profundidade, para posterior acompanhamento e estudo por uma equipa de arqueologia. Mas quando a obra ficou feita, acabaram com a equipa de arqueologia. Os navios ficaram lá durante dez anos e o mar destruiu-os. O maior e mais bem preservado exemplar de um galeão espanhol, do século XVI, início de século XVII, foi destruído pelo mar. Em 2000 regressei a Lisboa desiludido com os Açores. Foi nessa altura que resolvi fazer a licenciatura.

Em Arqueologia?
Sim. Entrei na Universidade Nova de Lisboa. Tive grandes problemas, porque os professores queriam que eu estudasse cerâmica, e eu não queria. Já tinha muitos anos de estudo de naufrágios. Aquilo em que sou realmente bom é na luta contra a caça ao tesouro - tenho 20 anos de experiência, uma rede mundial de pessoas que me dão informações - e a fazer pesquisa em arquivos para encontrar referências a naufrágios, e depois ir à procura deles. Entretanto, a professora Rosa Varela Gomes convidou-me para o Instituto de Arqueologia e Paleociências da Universidade Nova, onde temos projetos internacionais com o Uruguai, Omã e os Emirados Árabes Unidos. Temos também uma colaboração com o arqueólogo Luís Filipe Vieira de Castro, da Universidade do Texas, que é o maior especialista em naufrágios de navios da idade ibérica. Temos esta veleidade de revolucionar o contexto da arqueologia subaquática a partir destas bases. Fizemos uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural para lhes fornecer o que eles não conseguem fazer, porque não têm meios materiais nem humanos.

E o que querem fazer?
O inventário de todos os naufrágios em Portugal. São 20 anos do meu trabalho. Tenho uma carta potencial de naufrágios em toda a costa portuguesa, incluindo Açores e Madeira, do século XVI em diante, porque é a partir daí que começam a existir fontes. São cerca de dez mil naufrágios. Temos uma parceria com a Faculdade de Engenharia do Porto, que tem uns minissubmarinos operados por controlo remoto, para fazer o varrimento dos fundos, até aos 30 metros de profundidade.

Já estão a fazer isso de forma sistemática?
Queremos fazê-lo, mas precisamos de ser autorizados pela DGPC. Neste momento temos um dos mais importantes naufrágios da época moderna em Portugal, que é o de Esposende. Pareceu-me que era um navio do início do século XVI e já verificámos que isso se confirma, porque se descobriram mais canhões que são dessa tipologia. Está lá praticamente todo intacto em Esposende, afundado entre os dois e 15 metros de profundidade, a cem metros da costa. E está lá tudo. Quando mergulhei encontrei o navio e fiquei fascinado. É como o Mary Rose, aquele navio inglês da época dos Tudor, de 1547, que está em Portsmouth. Levantaram-no todo do fundo e está agora no museu. O navio de Esposende é o nosso Mary Rose.

Houve dezenas de navios portugueses totalmente pilhados por caçadores de tesouros

A vossa ideia é levantá-lo do fundo e pô-lo num museu?
A nossa ideia é fazer o levantamento do naufrágio. Quando começarmos a escavar vão aparecer muitas coisas. Já aparecem. Quando foi da tempestade Hércules, em 2014, o mar depositou na costa várias peças de naufrágio, em madeira, pratos em estanho, pratos em cobre gravados com figuras bíblicas e balas em pedra. Os achadores comunicaram o achado às arqueólogas da câmara. Os artefactos foram recolhidos e sempre que havia tempestade davam coisas à costa, então era preciso encontrar o sítio. Nós fizemos um projeto com a Universidade do Porto para procurar o local. A tempestade Hércules quebrou ali um equilíbrio, e o navio está a ser lentamente trazido para a costa e destruído. A ideia, antes que venha parar à costa, todo feito em pedaços, é ir lá estudá-lo. Fizemos o pedido de trabalhos arqueológicos. No dia em que fazia 15 dias do pedido, passados os quais teríamos a autorização tácita, veio um pedido de esclarecimentos. Enviámos resposta e depois fomos lá, fizemos o relatório, publicámos o artigo, levantámos as coisas, e passados dois anos ainda não veio a autorização.

Qual foi o momento do clique, quando percebeu que queria fazer arqueologia subaquática?
Foi durante um mergulho, em 1998. Estava nos Açores, neste processo de tentar encontrar naufrágios na baía de Angra, onde sabia que se tinham perdido 90 navios, dos quais só sabíamos de seis, mas era uma busca inglória. Era inverno, éramos três pessoas com um barquinho. No verão anterior tínhamos feito uma tentativa com um navio equipado com instrumentos de prospeção magnética, mas, por causa da natureza vulcânica dos Açores, aquilo era um pouco como estar a tentar ouvir uma música com auscultadores dentro de uma discoteca. Não encontrámos nada. Então pensei que podíamos tentar com um pequeno detetor de metais, que, ao contrário de um magnetómetro, anula os campos à volta e consegue detetar anomalias. Fizemos uns corredores debaixo de água com cordas e onde apitava largávamos uma pequena boia submersa. Depois fomos lá escavar. Lembro-me de que passei um inverno miserável, virado de cabeça para baixo a fazer buracos na areia. Encontrámos bicicletas, latas de Coca-Cola, tubos de pasta de dentes e então, um dia, depois de centenas de buracos sem encontrar nada, demos com umas pequenas ripas de madeira. Fui escavando e, de repente, encontrei a estrutura de um barco. Foi o meu primeiro barco e o primeiro momento de uma sensação de epifania. Era o tal Angra D.

Já apanhou algum susto a mergulhar?
Sim, no ano passado. Ia morrendo num mergulho em Esposende. O mar estava muito mau. O barco deixou-nos do lado de fora da rebentação e assim que me meti dentro de água, que não tinha nenhuma visibilidade nesse dia, devia ter voltado para trás. Mas não voltei. O ar da garrafa devia estar cheio de dióxido de carbono e fiquei meio incapacitado. Estava sozinho. Andei um bocado enrolado nas ondas, passei para o lado de lá da rebentação e, quando já estava completamente em hiperventilação, tentei regressar. Tive de tirar a garrafa e largar o cinto de chumbos, mas comecei a ficar sem atividades motoras. Então vi um dos achadores que estava a seguir-nos na praia e chamei-o. Foi ele que me levantou. Eu estava com água pela cintura, mas não me conseguia levantar, sem a ajuda dele teria morrido na praia.

Qual é o projeto mais importante que tem agora entre mãos?
É o do Centro de Arqueologia Náutica do Alentejo Litoral, que criámos há pouco em Alcácer do Sal. A câmara cedeu-nos uma antiga escola primária e estamos com um projeto de orçamento participativo a nível nacional. Quem tiver mais votos tem 300 mil euros para gastar. Com isso, queremos equipar o centro com material e contratar dois jovens arqueólogos. Os bombeiros cederam-nos beliches, temos frigorífico, fogão e micro-ondas. Queríamos ter lá uma equipa a fazer o levantamento todo do Sado. Que saibamos, só há ali um navio, de 1899. Mas tem de haver naufrágios no Sado, porque ele era a única estrada para Évora e o Torrão, antes do caminho-de-ferro. Quando a equipa de arqueologia da Câmara de Alcácer escava junto ao rio, encontra ídolos da Idade do Ferro, escaravelhos egípcios, vasos gregos, cerâmica fenícia. Nunca ninguém fez arqueologia fluvial em Portugal, e nós queremos fazer isso no Sado, mas sabemos que será um mergulho altamente complicado. A visibilidade é zero, não fazemos ideia de como é o fundo do rio, já nos disseram que é areia. Nós já usámos uns minissubmarinos no rio para fazer testes operacionais e já encontrámos coisas interessantes. O que queremos fazer ali é envolver as populações, devolvendo-lhes o gosto pela história e pelo seu património. São trabalhos de formiguinha em que muitas vezes temos de ter a paciência para explicar às pessoas o que é óbvio. Temos de ter tempo de explicar às pessoas o que estamos a fazer, e muitas vezes mostrar o que encontrámos. Se não explicarmos às pessoas, elas depois não apoiam a arqueologia. Ao contrário dos mecânicos e dos médicos, ninguém precisa de um arqueólogo. As pessoas só apoiam a arqueologia se se sentirem envolvidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.