Premium Sarampo. Por que se vacina menos em Lisboa e no Algarve?

A mobilidade da população e os atrasos na vacinação na idade recomendada são causas apontadas para uma taxa de cobertura inferior ao desejado nestas duas regiões que contrariam os números nacionais.

Lisboa e Vale do Tejo e o Algarve são as zonas do país em que há uma cobertura da segunda dose das vacinas contra o sarampo, a papeira e a rubéola abaixo dos 95% recomendados pela Organização Mundial da Saúde para assegurar a proteção da comunidade, através da imunidade de grupo, que contrariam os números nacionais.

Com dados de 2018 na mão, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, diz ao DN que em Lisboa e Vale do Tejo, na segunda dose da vacina contra o sarampo, aos 6 anos, a taxa de cobertura é de 94,2%. "Quando se avalia aos 7 anos já conseguimos captar mais meninos, temos 96,4%." Já na região do Algarve, há uma taxa de cobertura de 93% na segunda dose, aos 6 anos. "Quando dou uma tolerância para captar meninos que não foram vacinados na idade recomendada já tenho 95,4% aos 7 anos", salienta Graça Freitas, que enaltece o esforço "hercúleo" feito pelos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) destas duas zonas do país na repescagem de crianças com vacinas em atraso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.