CP sem material para cumprir horários na Linha de Cascais

Oito comboios foram suprimidos em hora de ponta pela empresa nos dois primeiros dias com os novos horários. O ministro Pedro Marques é ouvido nesta quarta-feira no Parlamento por causa dos problemas na CP.

A CP não tem material suficiente para cumprir os horários por si fixados para a linha de Cascais e que entraram em vigor no passado domingo, a tempo do regresso às aulas. Entre segunda-feira e ontem, a empresa cortou oito comboios, todos durante a hora de ponta, na linha que é utilizada por um quinto dos passageiros da empresa pública de comboios.

Os cortes na circulação registaram-se todos nos comboios entre o Cais do Sodré e Oeiras, conforme o DN/Dinheiro Vivo verificou na página da IP - Infraestruturas de Portugal, gestora da rede ferroviária nacional. Na segunda-feira, ficaram por realizar duas ligações; ontem, houve seis viagens que não foram feitas. "As supressões deveram-se ao excesso de imobilização do material circulante", confirmou a comissão de trabalhadores da IP. Os comboios entre o Cais do Sodré e Cascais andaram ainda mais cheios do que é costume na hora de ponta por causa desta situação.

A supressão de comboios verificou-se dois dias depois do início dos novos horários: na hora de ponta, entre o Cais do Sodré e Cascais, os comboios voltaram a partir de 12 em 12 minutos, em vez de 15 em 15. O mesmo acontece no troço entre o Cais do Sodré e Oeiras. Ao todo, são mais dois comboios por hora no período de maior afluência, de acordo com o horário introduzido no passado domingo, depois dos cortes em agosto.

Só que as coisas não têm corrido como o ministro do Planeamento e das Infraestruturas pretendia. No final de julho, Pedro Marques garantia que "no início de setembro já estarão novamente operacionais esses horários que nós queríamos que continuassem".

EMEF sem peças para comboios de Cascais

A Linha de Cascais opera com comboios que circulam há mais de 50 e 60 anos e que funcionam com corrente elétrica diferente face às restantes linhas portuguesas: 1500 volts em corrente contínua em vez de 25 000 volts em corrente alternada. Isto quer dizer que a linha só pode funcionar com aquele tipo de comboios e não com o material utilizado nos restantes serviços da CP.

A empresa de manutenção de comboios EMEF, contudo, não tem peças nem recursos humanos suficientes para cuidar deste material. Até ao final deste ano, prevê-se que mais de um quinto destes comboios fique parado nas oficinas, segundo as previsões da Adfersit - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento dos Sistemas Integrados de Transportes. Só que não está prevista qualquer compra de material novo para a Linha de Cascais.

"Não temos nada de concreto para [a aquisição de comboios] para a Linha de Cascais. Estará no plano nacional de investimentos [do governo] para 2030", adiantou na semana passada o líder da CP, Carlos Gomes Nogueira, no Parlamento, durante a audição na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Esta é a mesma comissão que nesta quarta-feira de manhã vai ouvir o ministro Pedro Marques sobre os problemas na ferrovia nacional, a pedido do CDS-PP. A audição irá decorrer quase uma semana depois de o governo ter aprovado a compra de 22 novos comboios regionais, que serão entregues entre 2023 e 2026. O governante será ainda ouvido por causa das obras na Ponte 25 de Abril, da reposição das ligações telefónicas destruídas pelos incêndios de outubro de 2017 e da reprogramação dos fundos comunitários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.