José Maria Ricciardi, o líder do BESI, foi o consultor dos compradores das maiores fatias da EDP e da
Premium

Investigate Europe

Como Ricciardi cercou o governo de Passos na privatização da REN

Os banqueiros chegaram a ameaçar com o corte de relações da China com Portugal e a sugerir a demissão de membros do governo. O DN falou com os principais intervenientes e mostra os bastidores insólitos de uma privatização.

José Maria Ricciardi usava quatro telemóveis, pelo menos. Naquele último dia de janeiro de 2012 eles não paravam de tocar. A situação era crítica. Havia dúvidas dentro do governo se a privatização das Redes Energéticas Nacionais (REN) deveria avançar, temia o banqueiro do grupo Espírito Santo, primo de Ricardo Salgado. Mais: os seus próprios clientes, a poderosa State Grid chinesa, que é hoje a quinta maior empresa do mundo, segundo o ranking da Fortune , estavam a sentir-se prejudicados pelas regras do jogo. Sentiam-se limitados no seu investimento por serem uma empresa do setor energético, quando a lei permitia a fundos de investimento comprar mais do que 25% da REN, a fasquia máxima a que a State Grid pôde concorrer.

Por isso, o telemóvel do CEO do BESI (Banco Espírito Santo Investimento), um dos dois grandes bancos de investimentos de Portugal à época, recebia mensagem atrás de mensagem dos seus colaboradores mais próximos que diziam quase todas o mesmo: devia ligar ao primeiro-ministro. Ricciardi tentou, mas Pedro Passos Coelho, de quem era amigo de longa data, não atendeu logo.

Ler mais

Exclusivos