Lisboa vale metade das vendas de casas mas menos de 40% do crédito

A capital é, a par do Algarve, a zona onde se recorre menos ao crédito para compra de casa. Explicação: o apetite de estrangeiros.

Os bancos abriram a torneira do crédito. Mas são cada vez mais os que dispensam empréstimos para comprar casa. Uma tendência que se verifica em praticamente todo o país, mas que é mais pronunciada na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve. Para o Banco de Portugal, esta é uma prova de que a subida dos preços das casas tem sido alimentada de forma mais significativa por estrangeiros, fundos e empresas, que compram a dinheiro, do que pelo crédito concedido pela banca.

"A redução do peso do financiamento bancário nas vendas é transversal às várias regiões do país, mas a sua magnitude é maior na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve, regiões onde o investimento estrangeiro ou a compra de imóveis por parte de empresas poderão estar a ter um maior peso nas transações", diz o Banco de Portugal no Boletim Económico divulgado nesta quinta-feira.

A Área Metropolitana de Lisboa foi responsável por metade do valor da venda de casas em Portugal. Entre junho do ano passado e o mesmo mês de 2018, as transações de imóveis de habitação totalizaram cerca de 22 mil milhões de euros no país. Na capital, o valor das vendas ultrapassou os 10,6 mil milhões.

Mas apesar de ter representado quase metade das vendas, a Área Metropolitana de Lisboa absorveu menos de 40% do novo crédito concedido pela banca. Naqueles 12 meses, o novo empréstimo à habitação totalizou cerca de 7,4 mil milhões de euros. Desse valor, foram destinados 2,9 mil milhões de euros a famílias de Lisboa.

A capital é das zonas onde o crédito bancário tem o menor peso no total de compras. Por cada cem mil euros transacionados na compra de casas apenas 27 mil euros provêm de crédito à habitação. No total do país é de 33 mil euros por cada cem mil e na Área Metropolitana do Porto é de 36 mil. No Algarve, o rácio é ainda menor. Apenas 12% do total da venda de casas foi feita com recurso a crédito solicitado por residentes nessa região.

Crédito com menos peso na compra de casas

Face aos anos antes do resgate financeiro a Portugal, o crédito é um fator mais secundário no mercado imobiliário. Nos 12 meses terminados em junho, o novo empréstimo à habitação foi equivalente a 33% do valor das casas compradas. Essa proporção é metade do que se verificava há oito anos, quando o crédito bancário totalizou mais de 65% do montante dos imóveis adquiridos.

O Banco de Portugal já fez alertas recentes sobre a evolução do preço das casas. Em junho, o supervisor admitiu que começavam a surgir sinais de "sobrevalorização". Mas, já na altura, apontava que "o forte crescimento do preço do imobiliário residencial tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes". Defendia que os bancos portugueses não estavam a ser "os principais dinamizadores deste mercado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.