Lisboa vale metade das vendas de casas mas menos de 40% do crédito

A capital é, a par do Algarve, a zona onde se recorre menos ao crédito para compra de casa. Explicação: o apetite de estrangeiros.

Os bancos abriram a torneira do crédito. Mas são cada vez mais os que dispensam empréstimos para comprar casa. Uma tendência que se verifica em praticamente todo o país, mas que é mais pronunciada na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve. Para o Banco de Portugal, esta é uma prova de que a subida dos preços das casas tem sido alimentada de forma mais significativa por estrangeiros, fundos e empresas, que compram a dinheiro, do que pelo crédito concedido pela banca.

"A redução do peso do financiamento bancário nas vendas é transversal às várias regiões do país, mas a sua magnitude é maior na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve, regiões onde o investimento estrangeiro ou a compra de imóveis por parte de empresas poderão estar a ter um maior peso nas transações", diz o Banco de Portugal no Boletim Económico divulgado nesta quinta-feira.

A Área Metropolitana de Lisboa foi responsável por metade do valor da venda de casas em Portugal. Entre junho do ano passado e o mesmo mês de 2018, as transações de imóveis de habitação totalizaram cerca de 22 mil milhões de euros no país. Na capital, o valor das vendas ultrapassou os 10,6 mil milhões.

Mas apesar de ter representado quase metade das vendas, a Área Metropolitana de Lisboa absorveu menos de 40% do novo crédito concedido pela banca. Naqueles 12 meses, o novo empréstimo à habitação totalizou cerca de 7,4 mil milhões de euros. Desse valor, foram destinados 2,9 mil milhões de euros a famílias de Lisboa.

A capital é das zonas onde o crédito bancário tem o menor peso no total de compras. Por cada cem mil euros transacionados na compra de casas apenas 27 mil euros provêm de crédito à habitação. No total do país é de 33 mil euros por cada cem mil e na Área Metropolitana do Porto é de 36 mil. No Algarve, o rácio é ainda menor. Apenas 12% do total da venda de casas foi feita com recurso a crédito solicitado por residentes nessa região.

Crédito com menos peso na compra de casas

Face aos anos antes do resgate financeiro a Portugal, o crédito é um fator mais secundário no mercado imobiliário. Nos 12 meses terminados em junho, o novo empréstimo à habitação foi equivalente a 33% do valor das casas compradas. Essa proporção é metade do que se verificava há oito anos, quando o crédito bancário totalizou mais de 65% do montante dos imóveis adquiridos.

O Banco de Portugal já fez alertas recentes sobre a evolução do preço das casas. Em junho, o supervisor admitiu que começavam a surgir sinais de "sobrevalorização". Mas, já na altura, apontava que "o forte crescimento do preço do imobiliário residencial tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes". Defendia que os bancos portugueses não estavam a ser "os principais dinamizadores deste mercado".

Ler mais

Exclusivos