DN+ Alexandra Soveral: a portuguesa que é considerada a facialist guru pelos britânicos

Alexandra Soveral diz que se sente sob pressão quando lê na imprensa norte‑americana artigos que falam dela como a guru dos tratamentos faciais e que apenas tenta dar os conselhos holísticos mais apropriados dentro das suas capacidades.

Não acredita ser um guru, «não no sentido do guia espiritual», mas crê que tudo o que faz tem um sentido. Continua a procurar oferecer tratamentos de pele, perfumes e terapias baseados nos princípios da marca que fundou em nome próprio, em 2005: a integridade, a honestidade e a educação.

Desde que Alexandra chegou a Nova Iorque para estabelecer a sua assinatura no spa do Hotel Four Seasons Downtown, já neste ano, a imprensa americana tem repetido o que já parecia um refrão da capital inglesa: «Facialist guru.»

Com uma clínica e um pequeno laboratório abertos em Elgin Avenue, a dez minutos do Palácio de Kensington, em Londres, Alexandra Soveral é referenciada regularmente pelos meios de comunicação dedicados à beleza e ao bem‑estar como uma das melhores terapeutas de rosto em Inglaterra.

O nome não engana ninguém. Alexandra Soveral nasceu em Portugal e chegou à capital britânica com 17 anos. O Portugal que deixava provisoriamente por um ano era muito diferente do de hoje. Conta que o amor pela natureza foi aprendido em pequena: «Tive uma infância muito livre, podia correr livremente pelos campos durante todo o verão.» É nessa altura que começa a moldar o interesse pela botânica e pela estética que mantém até hoje. «Costumava apanhar flores, prensá‑las e fazer composições com elas. Numa das salas de tratamento da minha clínica tenho uma moldura com uma composição de flores em forma de coração que apanhei quando tinha 6 anos.»

Nesse ano de 1987, o plano era estabelecer‑se em Londres por 12 meses, mas assim que chegou percebeu que ali teria a oportunidade de fazer muito mais pela própria vida.

A imprensa norte‑americana tem repetido o epíteto de «facialist guru» já usado na capital britânica. Alexandra Soveral é considerada uma das melhores terapeutas de rosto do país.

Inscreveu‑se na universidade e nunca mais parou de estudar. «No meu campo de ação não se pode conseguir seja o que for sem ter uma postura académica. O meu trabalho requer uma dedicação constante ao estudo», e acrescenta: «Seria muito feliz se me fechassem num laboratório durante vários anos para estudar melhor as propriedades terapêuticas das plantas.»

Não é o caso. Alexandra Soveral, além de pesquisa e desenvolvimento de produtos para a marca homónima e para outras companhias, dá formação a todos os terapeutas que usam os seus produtos de salão (são hoje vinte em todo o mundo), aplica tratamentos em clientes e faz vídeos no YouTube em que passa os conhecimentos sobre as melhores formas de aplicar determinados produtos no rosto. Mas há mais. Os interesses de Alexandra são muitos. A própria carreira académica demonstra-o: formações em Química, Anatomia, Fisiologia, Arte Francesa e Filosofia da Ciência.

A terapeuta do rosto considera que todas as matérias que estudou contribuem para a atividade que tem hoje, «nada do que aprendemos na vida é um desperdício. Parte do meu trabalho é ligar‑me às pessoas e compreendê‑las de forma a perceber exatamente o que é que lhes está a adoecer a pele. Tendo tantos estudos torna‑se mais fácil encontrar uma ligação com as pessoas».

Para a construção dos produtos a formação também não é despicienda. Alexandra Soveral, a marca de cosmética, distingue‑se por ser orgânica, usar fórmulas sem químicos danosos, SLS nem parabenos. «Seria irresponsável criar produtos que não fossem originados em fontes sustentáveis, mas isto não quer dizer que não possamos fazer fórmulas com tecnologia de ponta.»

Os produtos que faz são todos misturados em Londres, no seu laboratório, e as matérias-primas são importadas de várias partes do mundo com garantia de origem sustentável. Mas agora Alexandra Soveral quer começar a cultivar os seus próprios produtos. «Estou a desenvolver um projeto numa pequena porção de terra, a ver se consigo fazer crescer os meus ingredientes.»

A quinta que está a explorar localiza-se em território português. Afinal é daí que ainda hoje lhe vem tanta inspiração. «As fragrâncias das rosas e dos jasmins pungentes no verão lembram‑me sempre Portugal, assim como os aromas dos gerânios.» E são essas fragrâncias que estão presentes em grande parte das suas criações.

PERFIL

Alexandra Soveral, 48 anos, fundou a marca homónima em 2005, com Jorj Aleem. Dedica‑se a produtos de cosmética com ingredientes e processos amigos do ambiente. Tem uma clínica e um laboratório em Londres e presença nos espaços Hershesons Harvey Nichols e Agua Spa at the Mondrian Sea Containers, na mesma cidade. Acabou de chegar ao spa do Hotel Four Seasons Downtown, em Nova Iorque. E escreveu um livro, Perfect Skin(ed. Vermillion), ainda sem versão portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.