Premium "A multiplicação das organizações é sinal de fraqueza"

Riccardo Marchi é investigador do ISCTE e um dos maiores peritos em extrema-direita.

Nos últimos três anos foram criadas novas organizações identitárias - nacionalistas e fascistas - em Portugal. Que análise se pode fazer?
Em primeiro lugar, a multiplicação de organizações nacionalistas é mais um sinal de fraqueza do que de força, pois evidencia a incapacidade de um grupo, de uma elite dirigente ou de um líder aglutinar todas as (poucas) forças militantes que compõem o meio nacionalista português atual. Não é a primeira vez que esta corrente entra em Portugal: os primeiros movimentos que nela se inspiraram foram a Causa Identitária e Terra&Povo, no princípio do século XXI.

O que trazem à discussão política do nosso país personagens como Gianluca Iannome, líder da Casapound italiana, que esteve há menos de um mês em Lisboa?
Gianluca Iannone já esteve presente em Portugal há dez anos, sempre por convite dos jovens militantes identitários portugueses da altura. Hoje regressa convidado pela geração sucessiva sem que tenha havido uma passagem de testemunho entre as duas, o que demonstra mais uma vez a relativa fragilidade deste meio. Em Portugal circula frequentemente o discurso da necessidade de desconstruir a identidade nacional, com vista a uma nova comunidade na multiculturalidade e no multirracialismo. Há aqui duas vertentes que interessam os identitários portugueses: as políticas de aberturas do território nacional e europeu às massas humanas oriundas de Ásia e de África para responder ao envelhecimento das populações autóctones; as políticas culturais de crítica ao passado histórico português (colonialismo, escravidão, descobrimentos, etc.). A este discurso junta-se a ação social desenvolvida pela CasaPound, ou seja a passagem da política tradicional (partido, campanha eleitoral, votos) à intervenção social, cultural, desportiva, de lazer para implementar um estilo de vida alternativo. Isto interessa muito esta nova geração de militantes portugueses.

Ler mais

Exclusivos