Tempos perigosos

Atravessei neste verão boa parte do sul dos Estados Unidos. No rádio do carro fui escutando (a espaços porque a família não tem culpa dos meus vícios) aquela que tinha sido a minha companhia quase constante durante uma outra viagem, de trabalho, há cerca de dois anos e meio, durante as primárias na Carolina do Sul - os talk shows da alt-right.

Estes espaços de catequização da direita radical, nacionalista e defensora da supremacia branca são eficazes a fornecer argumentos a boa parte da base que elegeu Donald J. Trump e, aos meus ouvidos, estranha e repulsivamente sedutores.

Como? Aquelas horas a fio de conversa, de factos duvidosos e teorias da conspiração debitadas num tom entre a indignação e o pânico pelo iminente fim do mundo deixam-nos espreitar para o outro lado. Abrem uma janela. E não se trata de vertigem pelo abismo, eu não podia estar mais longe, mas não deixa de ser interessante ver o mundo - sobretudo os EUA - através daquelas lentes. Ver o mundo ao contrário.

E como tanto mudou desde fevereiro de 2016... Para lá das teorias da conspiração, que são basicamente as mesmas ou variantes das que então ouvi, há agora uma coragem que não existia. Qualquer dos hosts, dos animadores desses talk shows, não hesita em dizer ao que vem - defender o que dizem ser a ordem natural e histórica das coisas na América, proteger a união da invasão de imigrantes, etc. É o negócio do medo, da insegurança, do ódio ao diferente. Agora, quase dois anos depois da eleição de Trump, tudo é muito mais assumido, muito mais claro. Como Obama lembrou nesta sexta-feira no discurso que marcou a entrada do ex-presidente na campanha para as eleições de novembro, na Universidade de Illinois, "a história já nos mostrou o poder do medo".

Espreitar para dentro de uma bolha que não a nossa é útil. Ver, por exemplo, a diferença de tratamento noticioso entre o assassínio de Mollie Tibbetts, uma jovem de 20 anos que terá sido morta em Brooklyn, Iowa, por um imigrante mexicano ilegal em julho e o ataque a um bar de gaming em Jacksonville, Florida, onde um jovem branco, David Katz, de 24 anos, com um longo historial de perturbações mentais, matou dois jogadores, feriu outros dez e depois suicidou-se, é revelador. Os apelos do pai de Mollie Tibbetts, para que a morte da filha não fosse politizada ou usada como argumento contra a entrada de imigrantes nos EUA, foram ignorados e o caso alimentou dias de discurso de ódio contra imigrantes ilegais, sobretudo os vindos de south of the border, do México e de outras paragens na América Central. Sobre o tiroteio de Jacksonville, executado por um jovem doente mental que comprou legalmente duas armas (calibres 9 mm e .45) e centenas de munições, nem uma palavra de debate ou indignação. A notícia passou pelas horas certas, pelos noticiários, brevemente, mas nunca a ouvi discutida nos fóruns e nos talk shows de Sean Hannity e companhia.

Este ódio é essencialmente gratuito e tem muito pouco de racional. Não houve cidade ou terriola por onde passasse - e corri a costa leste entre Nova Iorque e o extremo sul dos EUA - onde boa parte dos restaurantes, lojas ou estações de serviço não tivessem um cartaz ou um papel bem visível a pedir trabalhadores. Já no ano passado, em reportagem no vale de São Joaquim na Califórnia, tinha escutado de agricultores e empresários portugueses e lusodescendentes um lamento: "Precisamos de imigrantes para trabalhar, se parar o fluxo, se fecharem as fronteiras, ficamos sem mão-de-obra."

Voltando a ligar o rádio, concluo que escutar a bolha do outro lado, com o debate político aceso numa altura em que a América caminha para eleições intercalares que podem virar o Congresso em novembro, reforçou uma convicção. Um eventual processo de impeachment, de destituição de Donald Trump - que só poderá acontecer com outra maioria no Congresso - não pode acabar bem. O atual presidente não vai cair sem dar luta, sem tentar convencer as suas bases de que está a ser alvo de um golpe e há demasiadas armas nas mãos de gente muito ressentida, com mau perder e, sobretudo, muito mal informada.

Já não será grande notícia dizer que a América está cada vez mais dividida. Mas, nas últimas milhas da viagem, a caminho do aeroporto de Miami, conduzindo rumo ao norte na US1 Dixie Highway alguns dias depois de o senador John McCain ter morrido, tive exemplos dessa divisão a desfilar à beira da estrada. Bastou contar as bandeiras. Umas a meia haste e outras no topo dos postes. Não arrisco um resultado exato, mas diria que deu empate. Mesmo depois da ordem tardia da administração para que todos os edifícios públicos colocassem a bandeira a meia haste, emitida dias antes, ainda muitos resistiam à homenagem oficial. Em relvados, postes ou varandas particulares era ainda mais visível a resistência a essa despedida. Quando a morte de uma figura como McCain não consegue ser consensual, temos a prova do algodão de que algo de profundamente errado se passa na maior democracia do mundo. Não é que precisássemos do teste, mas a crueza das imagens, das bandeiras, foi mais poderosa do que as notícias dos últimos dois anos.

E para quem ache que nada disto tem que ver com o que por aqui se passa, é importante que não nos julguemos imunizados. Há uns tempos, lembrei aqui um estudo que revela sinais de que a Portugal só falta mesmo quem comece a trabalhar a matéria-prima. O campo está livre para um qualquer populista.

Depois há a qualidade do nosso debate político. Deixo aqui dois exemplos dos últimos dias: os argumentos absolutamente divisivos e descolados da realidade orçamental com que foi analisada e criticada a proposta de baixar os preços dos passes sociais em Lisboa e, num outro campeonato, as falsas premissas com que se noticiou que o Estado tinha "ficado" com metade dos apoios do Fundo Solidário Europeu enviados para Portugal na sequência dos incêndios do ano passado em Pedrógão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.