Premium Redefinir a ordem

A intervenção do presidente Wilson na redefinição da estrutura política do espaço europeu, abolindo as formas imperiais para adotar o princípio do Estado-nação, e a nova intervenção americana, depois da Segunda Guerra Mundial, orientada para a dissolução do império euromundista, não perturbou o lúcido Raymond Aron quando sublinhou, já em 1973, ocupando-se de Les Etats-Unis dans le Monde (1973), a natureza imperial dos EUA.

Com isto não limitava o sentido à "conquista de territórios ou submissão dos povos", forma que não fora excluída no passado, mas valorizava o sentido da expansão da influência que Joseph Chamberlain, em fins do século XIX, defendera como método para limitar a expansão da influência da França e da Alemanha. Antes (1902), J.A. Hobson definira o imperialismo, na sua forma mais evidente, como política de captação e exploração dos mercados. O abade Correia da Serra, um dos fundadores da Academia das Ciências de Lisboa, que o seu amigo Jefferson considerou o mais culto dos homens que conhecera, manifestou a este que previa no futuro os EUA a dominarem o norte do continente e o Brasil o sul.

Ler mais

Exclusivos