Premium PRD. Um caso de exceção

Quando foi pela primeira vez a eleições, em 1985, o Partido Renovador Democrático elegeu 45 deputados e conseguiu mais de um milhão de votos.

O contexto político e social era outro, Portugal tinha saído há cerca de uma década da ditadura e estava sob intervenção do FMI, e a criação do PRD acabaria por ser um caso sério na cena parlamentar. Tendo como mentor o Presidente da República Ramalho Eanes - que viria a liderá-lo a seguir a Hermínio Martinho -, o Partido Renovador Democrático surgiu em 1985 contra a política de austeridade do governo de Bloco Central PS-PSD (1983-1985) liderado por Mário Soares e Mota Pinto.

Com a queda do executivo do Bloco Central, o Partido Renovador Democrático conseguiu eleger 45 deputados (mais de um milhão de votos) e em 1987 apresentou uma moção de censura que levou à queda do governo de minoria de Cavaco Silva. A estratégia não resultou e o PRD ficou apenas com sete deputados ao mesmo tempo que Cavaco alcançou a primeira de duas maiorias absolutas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.