Esperas para consultas chegam quase aos cinco anos

Dados atualizados em agosto mostram que 75 consultas hospitalares têm tempos de espera superiores a um ano e cerca de 20 delas superam mesmo os dois anos.

São 1624 dias, mais de quatro anos e meio. Este é o tempo que um doente de Trás-os-Montes pode contar esperar por uma primeira consulta de urologia no hospital de Vila Real, que no máximo devia ter resposta em cinco meses. É, entre todos os hospitais do país, o caso mais extremo de esperas muito para lá do que prevê a lei, mas ainda assim longe de ser o único: em Faro, uma consulta de ortopedia demora em média 1606 dias, uma consulta prioritária de dermatovenereologia em Aveiro, que devia ser realizada em dois meses, está a demorar quase quatro anos, e cardiologia na Guarda não responde em menos de três anos, dados a 30 de junho mas atualizados apenas no final de agosto pelo Governo no portal dos tempos de espera do SNS. Ao todo, há 75 consultas hospitalares de norte a sul com demoras superiores a um ano e cerca de 20 delas superam mesmo os dois anos.

E, se a maioria tem uma prioridade considerada normal pelos serviços, o panorama em relação aos casos muito prioritários, que deviam ser atendidos no prazo de um mês, mostra que quase centena e meia de consultas excede os chamados tempos máximos de resposta garantidos, algumas delas largamente, como dermatovenerologia em Aveiro (298 dias) e nas Caldas da Rainha (239 dias) ou cardiologia no Tâmega e Sousa (143 dias), Tomar (116) e Torres Novas (111 dias).

Cerca de 150 consultas muito prioritárias, que deviam ter resposta em 30 dias, excedem os tempos legais. Algumas demoram mais de 100 dias

Em quase todas estas situações, um padrão: são hospitais de zonas consideradas carenciadas, com um histórico equiparável de tentativas de contratações de médicos para algumas das especialidades mais necessitadas, como de vagas desertas em concursos para colocação de especialistas. Um problema crónico que também tem reflexo nas respostas dos três centros hospitalares contactados pelo DN, Trás-os-Montes, Algarve e Aveiro. "No que diz respeito à urologia em Vila Real, no último concurso não foi atribuído nenhuma vaga para esta especialidade"; "a dilatação dos tempos médios de espera para acesso a primeira consulta deve-se essencialmente à reconhecida carência de médicos especialistas nas referidas áreas na região do Algarve, à semelhança do que acontece noutros hospitais e zonas do país"; "mesmo nos concursos nacionais para contratação de médicos especialistas as vagas de dermatologia têm ficado por preencher na região centro, pelo facto de não existirem manifestações de interesse por parte de novos especialistas em dermatologia".

"Uma vergonha nacional"

"Estes tempos de espera são uma vergonha nacional", reage o bastonário da Ordem dos Médicos. Miguel Guimarães pede mesmo a intervenção do primeiro-ministro para tentar resolver o problema de falta de especialistas no interior, que se arrasta há anos, e avança desde logo uma ideia reciclada de uma proposta recente do próprio António Costa. "Devem ser dados incentivos a sério para médicos se fixarem nessas zonas, como as condições que estão a ser concedidas aos emigrantes para regressarem a Portugal, com a isenção de impostos. E depois vemos que se criam incentivos fiscais para atrair estrangeiros para o nosso país, mas percebemos que não existe essa estratégia para fixar profissionais no interior". Atualmente, informa o Ministério da Saúde, existem cerca de 200 médicos a receber incentivos no SNS, que passam por uma subida de 40% no salário e o aumento da duração do período de férias.

Devem ser dados incentivos a sério para médicos se fixarem nessas zonas, como as condições que estão a ser concedidas aos emigrantes para regressarem a Portugal

O gabinete de Adalberto Campos Fernandes contra-argumenta, em respostas enviadas ao DN, que os tempos máximos de resposta são cumpridos em mais de 90% das especialidades em todo o país e que se registam "casos pontuais" de não cumprimento integral dos prazos, "que mesmo assim têm vindo a melhorar em diversas especialidades e hospitais nos últimos meses, como Trás-os-Montes e Alto Douro ou Baixo Vouga e as especialidades de dermatovenereologia ou de oftalmologia".

Miguel Guimarães, que já foi presidente da secção regional do norte, conhece bem as dificuldades do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro em várias especialidades e acusa a Administração Regional de Saúde de não dar prioridades a esta zona. "No caso da urologia, tivemos apenas três vagas para todo o norte no último concurso para recém-especialistas. Vila Real tem apenas dois urologistas, não tem sequer capacidade para formar internos. Isto numa região muito envelhecida e numa especialidade que abarca problemas tão diversos como o cancro da próstata, o mais prevalente, problemas de bexiga e rins, infertilidade, disfunção erétil, infeções urinárias. Devia ser tomada uma opção e dizer 'nos próximos concursos temos de concentrar ali vagas suficientes para resolver o problema'", defende o bastonário, também ele urologista, no Hospital de São João.

No que diz respeito à urologia, no último concurso não foi atribuído nenhuma vaga para Trás-os-Montes, onde 2254 pessoas esperavam por uma consulta da especialidade no final do primeiro semestre. O centro hospitalar espera agora que as 28 vagas que lhe foram atribuídas em outras especialidades em julho deste ano "sejam preenchidas para que desta forma seja possível o reforço da capacidade de recursos humanos médicos e, assim, combater-se as listas de espera em algumas especialidades". Ortopedia, pneumologia, oftalmologia e o rastreio da retinopatia diabética são outras especialidades com esperas bem acima de um ano em Vila Real.

"Trás-os-Montes tem dificuldades até para manter as três urgências dos seus hospitais [Vila Real, Chaves e Lamego]", sublinha Miguel Guimarães. "Os problemas do centro hospitalar já chegaram até à Assembleia da República, mas não são resolvidos."

Hospitais apostam na telemedicina

Nunca houve tantos portugueses a procurar as consultas dos hospitais (no ano passado realizaram-se mais de 12 milhões de consultas externas), mas, ainda assim, garante o Ministério da Saúde, os serviços têm conseguido dar resposta na maioria dos casos.

No ano passado realizaram-se mais de 12 milhões de consultas externas

Em relação a dermatovenereologia em Aveiro, dados do final de 2017 apontavam para esperas superiores a 1800 dias, que o Centro Hospitalar do Baixo Vouga garantia ter reduzido para 984 dias (quase três anos) em abril. Portanto, se os 1339 dias para um consulta prioritária publicados a 22 de agosto significam uma melhoria em relação a novembro, representam por outro lado um agravamento em relação a abril. Ainda assim, o centro hospitalar garante que os tempos "melhoraram bastante" desde junho e que a 31 de agosto (uma semana depois da atualização dos dados no portal) se esperavam 739 dias por uma consulta prioritária nessa especialidade e 895 por uma normal. "Redução significativa que se deve à contratação por 12 horas semanais de um médico dermatologista", aponta o conselho de administração, que espera iniciar consultas de teledermatologia com os centros de saúde da região. Aposta, aliás, também destacada pelo Centro Hospitalar do Algarve para combater as listas de espera a sul.

Em Trás-os-Montes, se se verificou uma melhoria em oftalmologia em Chaves, que passou de 1046 dias de espera no ano passado para 933 em agosto, a situação piorou em Vila Real em especialidades como urologia, ortopedia ou reumatologia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".