Dragagens. "O Sado é uma maternidade e queremos que desempenhe esse papel"
Premium

Ambiente

Dragagens. "O Sado é uma maternidade e queremos que desempenhe esse papel"

São muitos os argumentos contra as dragagens: desastre ambiental, destruição da fauna e da flora marinha, perigo para os golfinhos, risco para a saúde humana. A obra avança em dezembro.

Carlos Pina está a amanhar o choco que antes apanhou no Sado para fazer um prato de pitéu, "de azeite e vinagre com cebola por cima". Enquanto lava o molusco na torneira, nos armazéns dos pescadores, vai dando a sua opinião sobre as dragagens que em dezembro deverão iniciar-se no rio que banha Setúbal, de forma a permitir a passagem de navios de grande porte. Pescador desde que se lembra, Carlos não está contra as dragagens profundas que, numa segunda fase, deverão ter alargado o canal e aumentado a sua profundidade até 14 metros - o objetivo é permitir que dois navios de grande calado possam passar ao mesmo tempo, um a entrar e outro a sair.

"Sou a favor das dragagens porque o rio tem de ser limpo. Qualquer dia não entramos lá. Ainda aqui há dias uma traineira ficou encalhada. E os golfinhos não se vão embora. Quanto mais lixo tirarem, melhor é. As dragagens não prejudicam ninguém, nem os turistas nem os golfinhos, que também andam na costa."

Ler mais

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG