Premium Kennedy eleito presidente

A eleição de John F. Kennedy para presidente dos Estados Unidos fazia a notícia de maior destaque na capa do DN deste dia 9 de novembro de 1960.

"Às 6 horas (hora de Lisboa), o New York Herald Tribune, que apoiou a candidatura de Nixon, anuncia hoje que Kennedy ganhara as eleições. Com base nos últimos resultados conhecidos, o jornal prevê que o senador Kennedy venceria no Estado da Califórnia, estado natal de Nixon. Os últimos números eram: Kennedy - 20 231 472 votos; Nixon - 18 271 146 votos."

Assim noticiava o DN neste dia, há 58 anos, a eleição de John Fitzgerald Kennedy. A partir de Nova Iorque, esta segunda tiragem do DN dava conta de como a tendência começara a acentuar-se para o lado do candidato democrata desde as primeiras horas da madrugada.

Na mesma notícia, o DN relatava ainda que os democratas haviam conquistado a maioria no Senado: "34 lugares estão a ser disputados nestas eleições; dos restantes, 66 que não são alterados, 43 estão na posse dos democráticos e 23 dos republicanos", escrevia então este jornal, na segunda edição deste dia 9 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.